quarta-feira, 30 de setembro de 2015

A MÚSICA E A HISTÓRIA: COMPONDO CAMINHOS- WILSON PAIM



Olá caros leitores, tudo bem com vocês?


 Grande cantor da música romântica e nativista gaúcha, Wilson Paim dispensa apresentações, com sua voz inconfundível e emotiva, sempre cantando o amor, a cultura do Rio Grande do Sul e a vida no campo, com músicas que são verdadeiros clássicos do cancioneiro gauchesca e também brasileiro, fazendo sucesso de sul a norte do país.
 Lançada em 2012, Compondo Caminhos é canção título do DVD e CD ao vivo, é uma canção que conta a estória fictícia de um jovem, que mesmo sendo bem sucedido socialmente, acaba entrando no tenebroso caminho das drogas, sofrendo um verdadeiro pesadelo, mas que acaba saindo dessa situação dramática e ter a vida social que antes ele tinha, sendo um alerta a sociedade dos perigos que as drogas trazem a vida das pessoas. Confiram abaixo um vídeo com essa música linda, prestem atenção na letra:


Grande abraço, BOA SEMANA, até a próxima!   

terça-feira, 29 de setembro de 2015

CINE HISTÓRIA: A PAIXÃO DE CRISTO (2004)


FICHA TÉCNICA

Título Original The Passion of Christ 
Duração: 127 min.
Ano: 2004
Diretor: Mel Gibson
País:  Estados Unidos
Idiomas disponíveis e legendas: Aramaico/ Hebraico/ Latim e Português
Gênero: Épico/Drama Bíblico 
Temática: Vida de Jesus/ Primórdios do Cristianismo   

SINOPSE (Fonte: Adoro Cinema)

 As últimas 12 horas da vida de Jesus de Nazaré (James Caviezel). No meio da noite, Jesus é traído por Judas (Luca Lionello) e é preso por soldados no Monte das Oliveiras, sob o comando de religiosos hebreus, que eram liderados por Caifás (Matti Sbraglia). Após ser severamente espancado pelos seus captores, Jesus é entregue para o governador romano na Judeia, Poncio Pilatos (Hristo Shopov), pois só ele poderia ordenar a pena de morte para Jesus. Pilatos não entende o que aquele homem possa ter feito de tão horrível para pedirem a pena máxima e eram os hebreus que pediam isto. Pilatos tenta passar a decisão para Herodes (Luca de Domenicis), governador da Galileia  pois Jesus era de lá. Herodes também não encontra nada que incrimine Jesus e o assunto volta para Pilatos, que vai perdendo o controle da situação enquanto boa parte da população pede que Jesus seja crucificado. Tentando acalmar o povo e a província, que detesta, Pilatos vai cedendo sob os olhares incriminadores de Claudia (Claudia Gerini), sua mulher, que considera Jesus um santo.


COMENTÁRIO

  Polêmico épico dirigido por Mel Gibson, retrata de forma detalhada as doze últimas horas de vida de Jesus Cristo, A Paixão de Cristo é um filme forte, que vai de encontro com estudos historiográficos e com as passagens da Bíblia, sendo o mais real já feito sobre esse tema.
 O filme retrata de forma comovente e realista todo martírio que Cristo passou, desde sua prisão, interrogatórios que foi submetido, tortura, condenação, caminho doloroso até o Calvário, sua agoniante crucificação e morte, sem deixar de mostrar o violento tratamento que os prisioneiros recebiam dos romanos, sendo mais do que uma declaração de fé feita pelo diretor, mas sim uma ilustração histórica bem reconstituída dos tempos bíblicos.
 Além da violência sanguinolenta, para dar mais realidade a obra, os idiomas usados no filme são o aramaico, hebraico e latim, que eram falados na Palestina naquele tempo. Os belíssimos cenários do filme, muito semelhantes com a Jerusalém daquela época, foram filmados ao arredores de Roma, dão ainda mais um ar realista a trama, sendo utilizado pouca computação gráfica.
 O filme também é rico em símbolos que dão a ele uma grandiosidade épica e religiosa, como por exemplo a figura do demônio que sempre aparece para tentar Cristo, é no mínimo enigmática e assustadora, foi interpretada pela atriz italiana Rosalinda Celentano. Também o bode em decomposição, os corvos atacando um dos crucificados, as crianças demoníacas que atormentam Judas Iscariotes, são representações do mal, enquanto á gota de chuva que caiu do céu, são as lágrimas de Deus pela morte de seu filho, e o túmulo vazio, representa a ressurreição de Cristo.
 Mesmo com toda brutalidade presente, A Paixão de Cristo é um filme indispensável de assistir, mostra como era de fato uma crucificação e como era ser prisioneiro naquela época, mas a grande mensagem é saber perdoar aqueles que nos fazem mal e saber a amar todas as pessoas, assim como o próprio Jesus falou, e mostra o verdadeiro significado da Páscoa.

CLIQUE PARA FAZER O DOWNLOAD DO FILME

Grande abraço, BOA SESSÃO, até a próxima!

segunda-feira, 28 de setembro de 2015

LIVRO: A MEGERA DOMADA- WILLIAN SHAKESPEARE


Olá caros leitores, tudo bem com vocês?

 Um dos maiores dramaturgos da História da literatura universal, Willian Shakespeare (1564-1616) dispensa qualquer apresentação, suas peças são encenadas até os dias de hoje, tendo diversas adaptações em livros, televisão, cinema e no teatro, como Romeu e Julieta, Macbeth, Rei Lear, Sonho de uma Noite de Verão e tantas outras, consideradas clássicos e de leitura obrigatória nas universidades de todo o mundo.
 Publicada pela primeira vez em 1590, A Megera Domada é uma das peças cômicas mais divertidas escritas por Shakespeare, também sendo uma das mais adaptadas para as telas do cinema e televisão, inclusive uma das adaptações mais conhecidas é sem dúvida a novela brasileira O Cravo e a Rosa, exibida entre 2001 e 2002 pela Rede Globo, mantendo a estória principal com algumas alterações, inclusive a ambientação de época, sendo ambientada em uma cidade do interior do Brasil na década de 1920.
 Diferentemente do folhetim global, A Megera Domada é ambientada na cidade italiana de Pádua no período renascentista, tendo como personagem principal Petruchio, um homem rico e apaixonado por Catarina, uma mulher de temperamento forte e incontrolável, os quais vivem divertidas confusões, acabando descobrindo o verdadeiro sentido do amor.
 Sendo uma peça totalmente voltada ao entretenimento, para causar risos e sem preocupações com questões filosóficas, Shakespeare apresenta uma visão romântica bem característica do período renascentista, mas todo o requinte cortês, retratando costumes daquela época, tudo com muito bom humor e sensibilidade, tornando-se a peça cômica mais engraçada de toda a História da dramaturgia universal.

Grande abraço, BOA LEITURA, até a próxima!       

domingo, 27 de setembro de 2015

SRS ESPECIAL: II FESTA DAS TENDAS (27/09/2015)


Olá caros leitores, tudo bem com vocês?

 Aconteceu no último domingo (27/09) em Santa Rosa do Sul a segunda edição da Festa das Tendas, evento que reuniu uma multidão na praça da igreja matriz, unido todas as quatorze comunidades de Santa Rosa do Sul sendo um dia de muito especial na História do município.
 A Festa das Tendas iniciou com a celebração da missa, presidida pelo padre Sidnei Vitali, tendo a liturgia e a animação feita por pessoas das comunidades, tendo momentos muito emocionante que homenagearam a fé, o trabalho e a cultura do povo sul santarosense, sendo o momento o qual foi apresentado claramente o motivo dessa festa: unir todas as comunidades em momentos de muita descontração, partilha e alegria durante um dia inteiro.
 Logo após a missa, iniciou as atividades na rua, cada comunidade preparou um quitute em sua tenda, sendo um verdadeiro festival gastronômico, tendo produtos derivados do polvilho, banana, salgadinhos, docinhos, pipoca, bolos, sucos, gelatinas, saladas de frutas e muitas outras iguarias, tudo indo conforme os costumes e cultura de cada comunidade, podendo todas as pessoas visitar as tendas e provar essas maravilhas gastronômicas.
 Além da gastronomia, declamação de poemas e muita música foram as grandes atrações culturais da Festa da Tendas, havendo momentos bem engraçados e de grande emoção, tornando esse evento muito especial e divertido.
Eventos que promovem a união, confraternização, a convivência pacífica, a alegria e a valorização da cultura do munícipio sem dúvida merecem o apoio de todos, a Festa das Tendas mostrou que é possível unir todas as comunidades de Santa Rosa do Sul para momentos de confraternização, é uma iniciativa que merece ser aplaudida e apoiada, torço para que esse evento cresça a cada ano mais, aguardaremos com muita expectativa a próxima edição da FESTA DAS TENDAS. Confiram abaixo um vídeo com imagens desse belíssimo evento que animou Santa Rosa do Sul no domingo:



Grande abraço, BOA SEMANA, ATÉ A PRÓXIMA! 

sábado, 26 de setembro de 2015

POEMA: AMIGO É


Um presente dos céus,
Alguém bastante especial,
Um ser que está sempre presente,
Não abandona seus companheiros,
Seja nas horas de sol ou nas tempestades,
Não liga pra dinheiro, condições sociais,
É verdadeiro o tempo todo,
Respeita as diferenças dos outros,
Sabe ouvir e fala na hora certa,
Faz de um minuto um momento inesquecível,
Sim, isso tudo eu chamo de AMIGO,
Quem tem amigos, sabe o que é ser feliz.

Autor: Andrio Cardoso

BOM FIM DE SEMANA A TODOS, ATE´A PRÓXIMA!

sexta-feira, 25 de setembro de 2015

POEMA: CHEGA DE COMODISMO


Chega desse imenso comodismo,
De não fazer nada com medo do novo,
Não precisamos de auto-ajuda, discursos panfletários inflamados,
De modismos filosóficos ou de ativismo sem sentido,
O que serve ter discurso social e não ajudar a quem realmente precisa?
Até agora isso não adiantou de nada,
A mudança começa com nós mesmos,
Quando começamos a nos mobilizar por algo realmente bom,
Quando pensarmos no bem comum e não em nossos interesses,
Quando pararmos de excluir quem pensa diferente de nós,
Ficar acomodado, não levará a lugar nenhum,
Isso não é questão política,
Mas sim de bem-estar e de melhor qualidade de vida, 
Levanta desse sofá, anime-se e vai ajudar a fazer a diferença,
Pare de ficar falando besteira, de dizer que nada adianta,
Todos precisamos de todos, não há exceção,
Quando todos tiverem em sintonia, o mundo será melhor.

Autor: Andrio Cardoso Pereira

BOM FIM DE SEMANA, ATÉ A PRÓXIMA!



quinta-feira, 24 de setembro de 2015

POEMA: QUERO SEMPRE



Quero sempre ir além,
Enfrentar os males do mundo sem tremer,
Sempre com amor e paz no meu coração, 
Usando da sabedoria que recebi de Deus,
Buscando a felicidade de forma o honesta,
Sei que posso e vou conseguir.


Autor: Andrio Cardoso Pereira

BOM FIM DE SEMANA ATÉ A PRÓXIMA!

quarta-feira, 23 de setembro de 2015

SRS ESPECIAL: FESTA EM HOMENAGEM AO DIA DO IDOSO


Olá caros leitores, tudo bem com vocês?

Aconteceu nessa última quarta (23/09) em Santa Rosa do Sul, um evento bastante especial, a Festa em Homenagem ao Dia do Idoso, organizado pelo CRAS e pelo Grupo de Terceira Idade do município, reunindo centenas pessoas vindas de todas as 14 comunidades, em um dia de muita alegria, confraternização e amizade.
 Iniciando as festividades, aconteceu uma missa especial na Igreja Matriz Santa Rosa de Lima, celebrada pelo padre Sidnei Vitali, a qual enfatizou a importância de aceitar a idade o qual as pessoas têm e a diferença entre idoso e velho, além de fazer uma homenagem aos idosos já falecidos, sendo um momento bonito, sendo animado pelo próprio Grupo de Terceira Idade, o qual entoava cantos religiosos e de muita alegria.
 Logo após a missa, todos se dirigiram ao Centro de Múltiplo Uso, onde aconteceu um almoço especial, com direto a sobremesa recheada  de doces deliciosos e bolo, agradando a todos os presentes, além é claro de cantorias e muita dança, aspectos bastante presentes em todas as festas, além de fazer parte da identidade cultural do grupo. Confiram abaixo fotos do evento:







  Sendo um evento para fortalecer o vínculo social e o bem estar dos idosos do munícipio, essa festa também mostrou a quem compareceu a importância de protegermos essas pessoas, pois elas são a memória viva da História e cultura de Santa Rosa do sul, além de mostrar que a Terceira Idade também se diverte, é organizada e cultiva uma forte relação de amizade uns entre os outros. Quero agradecer ao pessoal da Terceira Idade e do CRAS pelo convite e pelo acolhimento, foi uma experiência maravilhosa para mim, sempre que precisarem, estarei a disposição de vocês.


Grande abraço, até a próxima!

terça-feira, 22 de setembro de 2015

CINE HISTÓRIA: SHAOLIN (2011)


FICHA TÉCNICA

Título OriginalSan Siu Lam Zi
Duração: 130 min.
Ano: 2011
Diretor:  Benny Chan  
País:  China/ Hong Kong 
Idiomas disponíveis e legendas: Mandarim, Cantonês e Português
Gênero: Épico/ Artes Marciais/ Ação/ Aventura/ Drama Histórico 
Temática: Período Inicial da República Chinesa/ Cultura Shaolin   

SINOPSE (Fonte: Adoro Cinema)

 A China passa por um período de conflitos internos quando os chefes militares tentam expandir seu poder ao invadir terras vizinhas. Dentre eles esta Hao Jie (Andy Lau), um jovem arrogante e bem-sucedido guerreiro, que trata com desrespeito os mestres Shaolins. Mas em pouco tempo sua família é exterminada e ele se vê obrigado a buscar abrigo no templo daqueles que desprezava. E conforme o caos se espalha, Hao Jie e os mestres Shaolins são forçados a tomar uma iniciativa e lutar contra os perversos chefes militares que instauraram essa nova onde de terror.

COMENTÁRIO 

 Superprodução do cinema oriental, Shaolin é um épico cheio de emoção, drama e muita ação, fazendo uma singela homenagem aos antigos filmes de Kung Fu produzidos na China nas décadas de 70 e 80, tendo uma fotografia belíssima, lutas bem coreografadas, trama emocionante e a direção inspirada de Benny Chan.
 Ambientado na década de 1910, o filme mostra um dos períodos mais conturbados da  História Chinesa, após a queda da Dinastia Qing, iniciando uma revolução a qual levaria país ser uma República, gerando um longo período de conflitos, gerando tensão, perseguições e violência por todo o território chinês.
 Além das violentas guerras entre os republicanos e opositores, o filme retrata as tradições milenares do Templo de Shaolin, onde os monges budistas guardam todos os segredos do Kung Fu, ensinam as pessoas técnicas de defesa e ataque, além de ser um refugio para aqueles que fogem dos conflitos, tornando-se um reduto de resistência, transformando os monges em verdadeiros heróis e colocando o Templo em perigo.
 Com todo esse grande enredo histórico envolvido na trama, Shaolin é um filme bastante empolgante, tendo seus momentos dramáticos intensos e de muita adrenalina, também há momentos de grandes lições de vida e de bom humor, além de ter a participação muito especial de Jackie Chan,  um filme imperdível. Confiram abaixo o filme na integra:


Grande abraço, BOA SESSÃO, até a próxima!  

segunda-feira, 21 de setembro de 2015

LIVRO: A TULIPA NEGRA- ALEXANDRE DUMAS


Olá caros leitores tudo bem com vocês?

 Mundialmente conhecido por ser um exímio contador de estórias, Alexandre Dumas, pai (1802-1870) criou um estilo literário envolvente e inesquecível, que une aventura, romance e acontecimentos históricos, que podem ser reconhecidos facilmente em livros como Os Três Mosqueteiros, Os Irmãos Corsos e O Homem da Máscara de Ferro, que são verdadeiros clássicos da literatura universal.
 Publicada em 1850, A Tulipa Negra é uma novela bastante conhecida, devido ao seu romantismo e lances de aventura, retratando a estória do botânico holandês Cornélio Van Baerle, que vive um romance com uma linda mulher e participa de uma competição de botânica, enfrentando a inveja de adversários corruptos, intrigas políticas e  traições, bem ao estilo Conde de Monte Cristo.
 Ambientado no século XVII, a obra mostra todo requinte da corte holandesa da época, as noções de botânica daquela época, as intrigas políticas existentes, o preconceito, o herói injustiçado, a determinação para chegar ao objetivo são temas que essa belíssima obra retrata, no melhor estilo Alexandre Dumas, um clássico da literatura universal.

Grande abraço, BOA LEITURA, até a próxima!   

domingo, 20 de setembro de 2015

A MÚSICA E A HISTÓRIA: DISPARADA- JAIR RODRIGUES



Olá caros leitores, tudo bem com vocês?


 Grande ícone da música brasileira, Jair Rodrigues foi uma estrela brilhante, conhecido pelo seu enorme carisma e talento,tendo uma carreira longa de sucesso, conseguindo conquistar as novas gerações, transitando em inúmeros gêneros musicais brasileiros, desde o sertanejo de raiz, ao samba, rock, rap, MPB, enfim, um artista completo e universal em todos os sentidos. 
 Lançada em 1966 especialmente para o Festival da Canção da Rede Record, escrita por Geraldo Vandré e Theo Barros,  Disparada é uma das grandes canções interpretadas por Jair Rodrigues, essa música usa a metáfora da vida de vaqueiro no interior brasileiro para fazer uma crítica a exploração social feita pelo Regime Militar, num ritmo bem sertanejo. Confiram abaixo o vídeo com essa bela canção, prestem atenção na letra:


Grande abraço, BOA SEMANA, até a próxima!     

sábado, 19 de setembro de 2015

RETRÔ: INDIANA JONES


Olá caros leitores, tudo bem com vocês?

 Com toda certeza muitas pessoas lembram do personagem Indiana Jones, um arqueólogo que vive grandes aventuras ao redor do mundo, buscando as relíquias mais importantes da História da humanidade,  interpretado pelo grande ator Harrison Ford, foi um grande sucesso de bilheteria na década de 1980, virando um verdadeiro ícone dos filmes de aventura.
 Série criada pelos magos do cinema Steven Spielberg e George Lucas, as aventuras de Indy (apelido do personagem) são ambientadas nos anos 30, misturando ação, comédia, terror e romance com informações históricas reais e alguns exageros, bem ao gosto do público daquela época.
 O primeiro filme da série Os Caçadores da Arca Perdida, lançado em 1981, Indy busca uma das relíquias mais famosas da Bíblia, a Arca da Aliança, onde estaria guardada as tábuas dos dez mandamentos, antes que os nazistas a encontrem.
  Em 1984, foi lançado o segundo filme da série, O Templo da Perdição, dessa vez Indiana vai a Índia em busca das lendárias Pedras de Sankara, roubadas por um feiticeiro e libertar uma aldeia onde ele fez rituais satânicos, sacrifícios humanos  e escraviza crianças.
  Indiana Jones e a Última Cruzada foi lançado em 1989, mostra a busca de Indy pela maior relíquia da História Cristã, o Santo Graal, antes que os nazistas encontrem. O interessante nesse filme da série é abertura, onde mostra acontecimentos da juventude do personagem, dando um clima épico e emocionante a obra.
  Para a alergia dos fãs, após 20 anos de espera, em 2008 foi lançado uma nova aventura de Indiana Jones, com Harrison Ford interpretando novamente o personagem, mesmo com mais de 60 anos, esbanjando vitalidade. Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal, ambientado nos anos 50, conta a busca de Indy pela Caveira de Cristal de Akator, sendo perseguido dessa vez por espiões soviéticos.
  Mesmo com algumas idéias bem deturpadas sobre Arqueologia que os filmes apresenta e ter como intuito o mais puro entretenimento, a série retrata algumas questões interessantes sobre a História, como por exemplo a questão dos nazistas sempre estarem a procura de relíquias históricas, das possíveis localizações reais dos objetos retratados em todos os filmes e  dos rituais de magia negra apresentado em O Templo da Perdição. 
 Também vale salientar que muitas pessoas gostam de História devido ter assistido as aventuras de Indiana Jones, inclusive eu, fui muito inspirado, por isso e por outros motivos, Indiana Jones é um ícone do cinema da  década de 80.

Grande abraço, BOA SEMANA, até a próxima!

sexta-feira, 18 de setembro de 2015

POEMA: HOMENAGEM A REVOLUÇÃO FARROUPILHA


Hoje é dia do gaúcho,
20 de Setembro, aniversário da Revolução Farroupilha,
Data para recordar Bento Gonçalves, Anita, Garibaldi, Davi Canabarro, General Neto,
E todos aqueles que lutaram nessa longa guerra,
A qual definiu as fronteiras do sul brasileiro,
Também de lembrar toda a sua História,
Dia de comer churrasco e tomar um bom chimarrão,
Dia de ouvir os grande clássicos da música gauchesca,
Dia de andar pilchado, de manter viva a tradição, 
Tenho orgulho de viver nessa terra maravilhosa,
Ama sua cultura e defende seus ideais de forma apaixonada,
Conhece perfeitamente sua História,
É aguerrido, determinado, forte e virtuoso,
Não importa onde está, leva consigo no coração suas raízes,
Pode passar o tempo que for, continua mantendo viva suas tradições,
É aquele que ajuda os outros e acolhe de forma carismático quem vem de fora,
Enfim, ser gaúcho é tudo isso e muito mais,
Só sabe quem vive nessa terra,
VIVA O DIA DO GAÚCHO.

Autor: Andrio Cardoso Pereira

Olá caros leitores, tudo bem com vocês?

O poema acima é uma pequena homenagem pela passagem do dia 20 de Setembro, data a qual comemora-se o aniversário da Revolução Farroupilha, conflito ocorrido no sul do Brasil de 1835 a 1845, durante o período regencial, estanceiros gaúchos enfrentaram as forças imperiais, em um dos conflitos mais longos e sangrentos da História do Brasil, sendo celebrado com desfiles, eventos culturais e especiais na televisão, especialmente no Rio Grande do Sul e algumas partes de Santa Catarina.

Um grande abraço, VIVA O SUL DO BRASIL, BOM FIM DE SEMANA, até a próxima. 

quinta-feira, 17 de setembro de 2015

SRS ESPECIAL: PRÉ PROJETO DE TCC SOBRE A POLVILHANA


Olá caros leitores, tudo bem com vocês?

 Escrever informativos ou artigos e participar de eventos culturais em Santa Rosa do Sul, como já foi dito em inúmeras oportunidades aqui nesse blog, é uma das coisas que mais gosto de fazer, pois além de ser muito divertido, proporciona momentos bacanas junto com a população e também de aprendizagem ao vivenciar a cultura que aqui é manifestada, sendo sem dúvida, as postagens mais populares e compartilhadas de todo o Blog do Professor Andrio.
 Desde muito novo, sempre estive envolvido em eventos culturais em Santa Rosa do Sul, seja como espectador ou participando diretamente, de ser membro do Conselho Municipal de Cultura, considero a cultura elemento primordial para construirmos uma sociedade melhor, apoio tudo que for relacionado a atividades culturais, pois isso dá vida ao lugar onde vivemos, leva diversão e aprendizagem a todos, por esse motivo decidi ser militante cultural aqui e ajudar com aquilo que for de meu alcance a levar cultura a todos sul santarosenses.
 Para me aperfeiçoar e na intenção de poder fazer essa militância de forma correta, em maio de 2014 iniciei a pós graduação na UNESC de História e Cidade: Patrimônio Cultural e Ambiental, onde eu e meus colegas estamos discutindo temas relacionados a questão patrimonial, cultural e turística nos municípios do sul catarinense, sendo uma grane fonte de conhecimento, a qual estou aprendendo bastante e quero usar que aprender na prática, indo muito além das salas de aula e já vejo muitas mudanças grandes, mesmo estando nesse curso tão pouco tempo.
 No último sábado (12/09), a minha turma de pós tivemos um trabalho na disciplina de Metodologia da Pesquisa: Trajetórias e Possibilidades, ministrada pelo professor Lúcio Vânio de Moraes, que consistia na seguinte ideia: montar o pré-projeto com tema, justificativa problema, objetivos (geral e específicos), fontes de pesquisa, metodologia, referencial teórico, hipóteses e bibliografia, o qual será para o Trabalho de Conclusão  de Curso (TCC), despertando em nós o instinto de pesquisa e para fazermos um trabalho no final da pós com ênfase em nossa região. Todos colegas escolheram temas bastante relevantes, que com toda certeza, vão gerar trabalhos magníficos.
 Depois de pensar qual patrimônio cultural de Santa Rosa do Sul eu escolheria para fazer esse pré-projeto, decidi escolher a Polvilhana como tema, é um evento que mobiliza todos moradores, ela merece destaque por manifestar com toda a força a cultura do município e homenagear todos os agricultores daqui, responsáveis por gerar a economia de Santa Rosa do Sul, especialmente aqueles que trabalham com a mandioca, polvilho e banana.
 Além dessa importância econômica, cultural, gastronômica e turística, tenho uma forte afinidade com a Polvilhana, participo diretamente dessa festa desde a primeira edição (2005), realizando cobertura de duas edições (2012 e 2014) através de fotos e informativos e prestando bastante atenção em todos os detalhes, tendo intimidade o bastante para poder fazer um trabalho bem bacana e diferente.
 Dando uma investigada no setor de monografias, artigos científicos e teses da biblioteca da UNESC, percebi que não tem disponível trabalhos acadêmicos sobre a cultura de Santa Rosa do Sul, então somando isso e aos elementos que foram citados acima, decidi ir mais além do pré-projeto: escolhi como TEMA DO MEU TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO A FESTA DO POLVILHO E DA BANANA.
 Após ter escolhido o tema, montado o trabalho e preparado uma apresentação especial, fui para a apresentação na sala de aula, apresentei como eu quero fazer esse trabalho e onde quero chegar. Acabei filmando toda apresentação, a qual pode ser vista na INTEGRA no vídeo abaixo, que reforça ainda mais tudo que escrevi até aqui, tendo participação do professor e colegas, confiram:




 Estando na reta final da pós, estarei dentro de poucas semanas iniciando o projeto do TCC, fazendo leituras, analisando imagens, revendo os informativos que escrevi durante a Polvilhana de 2014, consultando o material produzido pela prefeitura , reportagens de jornais, enfim, tem muito trabalho pela frente, mas sempre é bom começar desde cedo, para que saia um trabalho bastante interessante, bem feito, tudo com muita calma, bem estudado e de muita aprendizagem, o qual pretendo mostrar a toda a população sul santarosense posteriormente, sendo um trabalho aberto a sugestões, o qual faço questão de mostrar todo o processo de confecção, do primeiro ao último momento, não sendo mais um trabalho que ficará guardado dentro das prateleiras da faculdade, apenas para ganhar um diploma, mas sim para servir toda a comunidade acadêmica e a população de Santa Rosa do Sul, que merece atenção por ter uma cultura linda, a qual tenho a honra de estar inserido e participar ativamente.

Grande abraço, BOM FIM DE SEMANA,  até a próxima.   

quarta-feira, 16 de setembro de 2015

POEMA: AS PALAVRAS


São importantes para a comunicação,
Responsáveis por grandes obras da literatura,
Podem fazer as pessoas ter as mais diversas emoções,
Podem construir nações, obras e outras maravilhas,
Porém, podem causar um rastro enorme de destruição e desgraça,
Cuidado com o uso delas, sempre traz consequências,
Sejam positivas ou negativas, além de ser poderosas,
Saiba usar bem as palavras,
Pois elas são sinais de sabedoria, se forem usadas bem,
Mas podem ser ruínas, caso use as mal.

Autor: Andrio Cardoso Pereira.


terça-feira, 15 de setembro de 2015

CINE HISTÓRIA: A GUERRA DO FOGO (1981)


FICHA TÉCNICA

Título Original: Quest For Fire/ La Guerre du Feu
Duração: 100 min.
Ano: 1981
Diretor:  Jean-Jacques Annaud
País:  Canadá/ França
Idiomas disponíveis e legendas: Francês/ Inglês/ Português/ Línguas Primitivas
Gênero: Aventura/ Épico/ Documentário/ Drama
Temática: Luta pela sobrevivência na Pré-História/ Descoberta do Fogo

SINOPSE (Fonte: Interfilmes)

Estudo profundo e delicado sobre a descoberta do fogo na pré-história. Coube a Burgess criar uma "linguagem falada" e ao etnólogo Desmond Morris a linguagem corporal e gestual das tribos beneficiadas pelo fogo. Baseado no livro de J.H. Rosny Sr.

COMENTÁRIO

Ao assistir este filme, o espectador terá a oportunidade de visualizar questões que envolvem aspectos relacionados a pré-história: antropológicos, sociológicos, geográficos, religiosos, tecnológicos, históricos e outros.
O ponto alto pode ser a formação da sociedade humana, o processo evolutivo (diferentes estágios), vista pela ótica da “Teoria Evolucionista” de Charles Darwin, bem como, o processo de construção do conhecimento e o surgimento da linguagem humana.
A tentativa de domesticação dos animais, o processo de seleção ou classificação de plantas comestíveis. A ocupação dos vales dos rios por grupos humanos, a invenção da lança-arpão, a produção do fogo através de técnicas artificiais rituais religiosos de acasalamento e fecundação, bem como, a utilização da orientação espacial através da observação do voo das aves.
Outro aspecto que pode ser visualizado, refere-se a disputa e manutenção da liderança do grupo social através do individuo mais sábio, mais forte ou capaz de comandar as ações necessárias à segurança e manutenção entre os indivíduos.
O chamado “ritual antropofágico” também pode ser abordado, fazendo-se uma analogia com a antropofagia dos grupos nativos encontrados pelos exploradores europeus dos séculos XV e XVI, nos primeiros contatos com povos das Américas, África e Ásia, principalmente nas selvas de Papua Nova Guiné.

CLIQUE AQUI PARA ASSISTIR

BOA SESSÃO, grande abraço, até a próxima!

segunda-feira, 14 de setembro de 2015

LIVRO: OS VARÕES ASSINALADOS-TABAJARA RUAS


Olá caros leitores, tudo bem com vocês?

Grande jornalista, historiador, cineasta  e romancista, Tabajara Ruas dispensa qualquer apresentação, defensor fervoroso da História e cultura do Rio Grande do Sul, sempre escrevendo livros emocionantes, que unem importantes informações históricas com ficção bastante envolvente, cheia de lances de aventura e dramaticidade quase cinematográfica, obras como Netto Perde sua Alma e Região Submersa são clássicos da literatura brasileira.
 Escrita a partir de 1985, Os Varões Assinalados é a obra-prima de Tabajara Rua, tendo várias edições nesses trinta anos de existência, se transformado recentemente em uma trilogia composta de três livros: O País dos Centauros, A República de Anita e A Carga dos Lanceiros. Originalmente, essa obra foi publicado em formato de folhetim (jornal), depois tudo reunindo em um único volume e finalmente formado numa trilogia.
 Como o subtítulo da obra já revela, é um grande romance sobre a Revolução Farroupilha (1835-1845), um dos conflitos mais sangrentos e longos da História do Brasil, sendo um grandioso épico, cheio de lances de aventura, ação, paixões proibidas, drama e acontecimentos históricos de enorme importância, indo de acordo com os mais recentes estudos historiográficos, sendo uma leitura agradável e ao mesmo tempo informativo.
 Trazendo como grandes protagonistas Bento Gonçalves, Anita Garibaldi, Giuseppe Garibaldi, Antônio de Souza Neto, Onofre Pies, Banto Manuel e outros grandes personagens envolvidos na Guerra dos Farrapos, Varões Assinalados retrata os fatos importantes nos dez anos de conflito, enfatizando também a participação heroica de escravos e o desenrolar da guerra no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina, tendo todo um clima cinematográfico e transformando essa obra em um clássico da literatura do sul brasileiro.

Grande abraço, BOA LEITURA, até a próxima.   

domingo, 13 de setembro de 2015

A MÚSICA E A HISTÓRIA: O TEATRO DE VAMPIROS- LEGIÃO URBANA


Olá caros leitores, tudo bem com vocês?

 Banda formada em Brasília, liderada pelo grande poeta Renato Russo, a Legião Urbana foi um sucesso tremendo do Rock brasileiro nas décadas de 80 e 90, sempre fazendo um som que unia poesia romântica, letras politizadas e instrumental que mistura ritmos como o punk, new wave, folk, rock, reggae, ska e MPB, fazendo uma verdadeira legião de fãs até os dias de hoje.
 Lançada em 1991, O Teatro dos Vampiros faz parte do álbum V, é uma letra bastante poética e muito emotiva, que fala sobre a crise econômica e social que assolava o Brasil no início da década de 1990, tem um forte tom crítico, mas também com esperança, além de fazer referência a novela Vamp, que na época foi uma verdadeira febre. Confiram abaixo um vídeo com essa linda música, prestem atenção na letra:


BOA SEMANA, grande abraço, até a próxima! 

sábado, 12 de setembro de 2015

POEMA: LUTE POR TUA FELICIDADE


Você não precisa se chapar ou ficar embriagado,
Apelar para a brutalidade quando dá tudo errado,
Fazer uma grande viagem ou ir numa balada,
Encher o estomago de guloseimas,
Comprar superficialidades,
Fazer coisas absurdas para chamar a atenção,
Você não precisa fazer isso para ser feliz,
Você precisa é de amor, paz e alegria,
O resto é bobagem, modismo e não te levará a lugar algum,
Como diz aquela frase, a felicidade não se compra,
Ela é conquistada passo a passo,
Portanto, lute por tua felicidade.

Autor: Andrio Cardoso Pereira

BOA SEMANA, GRANDE ABRAÇO, ATÉ A PRÓXIMA! 


sexta-feira, 11 de setembro de 2015

CINE HISTÓRIA: ERA UMA VEZ NO OESTE (1968)



FICHA TÉCNICA

Título OriginalOnce Upon a Time in the West/ C'era una volta il West
Duração: 165 min.
Ano: 1968
Diretor:  Sergio Leone 
País:  Itália/ Estados Unidos
Idiomas disponíveis e legendas: Inglês, Italiano e Português
Gênero: Faroeste/ Aventura/ Ação/ Drama
Temática: Vinda do Progresso ao Velho Oeste dos Estados Unidos

SINOPSE (Fonte: Adoro Cinema)

Em virtude das terras que possuía serem futuramente a rota da estrada de ferro, um pai e todos os filhos são brutalmente assassinados por um matador profissional. Entretanto, ninguém sabia que ele, viúvo há seis anos, tinha se casado com um prostituta de Nova Orleans, que passa ser a dona do local e recebe a proteção de um hábil atirador, que tem contas a ajustar com o frio matador.

COMENTÁRIO 

 Grande clássico do cinema mundial, Era Uma Vez no Oeste é um épico western dirigido pelo grande mestre dos faroestes feitos na Europa, o diretor italiano Sergio Leone, estrelado por um elenco estrelar encabeçado por Charles Bronson, Claudia Cardinale e Henry Fonda, além de uma trilha sonora belíssima feita por Ennio Morricone, considerada a mais bela feita em sua carreira, uma fotografia arrebatadora que explora ao máximo os cenários e uma trama cheia de reviravoltas, uma verdadeira obra-prima cinematográfica.
 Evitando ao máximo clichês típicos do gênero, Era uma Vez no Oeste já foi concebido para ser um filme diferente de tudo que já foi feito, começando pela cena inicial, o qual explora ao máximo as expressões de cada personagem e os efeitos sonoros, o qual prevalece até o desfecho e contrariou o público e a crítica cinematográfica ao colocar o ator Henry Fonda a interpretar um vilão sanguinário e frio, que na época era conhecido por interpretar mocinhos e personagens de boa índole, causando polêmica e furor na época do lançamento do  filme.
 Ambientado na segunda metade do século XIX, o filme retrata o surgimento do progresso no Velho Oeste dos Estados Unidos, simbolizado pela construção da estrada de ferro, surgindo povoados e cidades no meio do deserto, iniciando o processo de decadência daquele Velho Oeste povoada por fazendas e cowboys, porém com pistoleiros dispostos a fazer justiça com as próprias mãos e criminosos violentos, gerando uma guerra sangrenta, representando  vida e a morte em um ambiente completamente hostil, o qual não poupa homens, mulheres e crianças.
 Unindo um faroeste épico cheio de ação com um drama bastante poderoso, Era uma Vez no Oeste é um filme que ultrapassou a barreira do tempo, sendo uma verdadeira aula de cinema, seja pela sincronia perfeita entre imagens e trilha sonora, pelas tomadas vertiginosas ou pela atuação impecável do elenco, que parece não ter envelhecido, a cada nova restauração dessa obra quase cinquentona, surge um novo detalhe, tornando ela um verdadeiro clássico do cinema.

CLIQUE AQUI PARA FAZER O DOWNLOAD DO FILME


Grande abraço,  BOM FIM DE SEMANA, até a próxim!  

quinta-feira, 10 de setembro de 2015

LIVRO: O NOME DA ROSA- UMBERTO ECO



Olá caros leitores, tudo bem com vocês?


 Grande estudioso, historiador, crítico de arte, pensador e romancista, o escritor italiano Umberto Eco dispensar qualquer apresentações, é um dos autores mais populares da literatura contemporânea, publicando seus ensaios sobre os mais variados temas e romances que unem suspense, História, aventura e dilemas filosóficos.
 Publicado em 1980, O Nome da Rosa é com toda certeza o romance mais conhecido de Umberto Eco, fazendo muito sucesso em todo mundo, sendo adaptado brilhantemente para a telona do cinema em 1986 pelo cineasta francês Jean-Jacques Annaud, tendo a participação do autor e do historiador francês  Jacques Le Goff  na ambientação do filme.
 Ambientado na Itália do século XIV, o livro conta a estória de dois freis franciscanos, ao visitar uma abadia, são intimados a investigar uma série de crimes que estão acontecendo lá, seguindo o rastro de um assassino bastante inteligente e cruel,  em busca da verdade, arriscando suas próprias vidas nessa caçada perigosa.
 Misturando um poderoso drama de época com um agitado romance detetives, o livro mostra a épica luta entre ciência e fé, as heresias, a intolerância religiosa, o tribunal da Inquisição, a repressão sexual, o preconceito em relação aos deficientes, o uso da violência para conseguir poder, a demagogia e o misticismo exagerado são elementos que representam o período medieval, coim dilemas éticos, morais e religiosos dos dias atuais, tornando esse livro um clássico da literatura universal.

Grande abraço,BOA LEITURA, BOM FIM DE  SEMANA, até a próxima!  

quarta-feira, 9 de setembro de 2015

A MÚSICA E A HISTÓRIA: MONEY- PINK FLOYD


Olá caros leitores, tudo bem com vocês?

 Banda inglesa surgida no fim dos anos 60, O Pink Floyd encantou o mundo com uma fusão perfeita  de psicodelismo, música erudita, experimentalismo e vários subgêneros do Rock, sempre trazendo a tona temas existenciais, espaciais, políticos, sociais e passagens épicas, tornando uma banda versátil a cada novo álbum, além de fazer shows espetaculares, com uso de shows de luzes e pirotecnia, e as capas dos álbuns serem verdadeiras obras de arte , tornaram o Pink Floyd uma verdadeira referência quando se fala em música altamente sofisticada e de extrema qualidade artística.
 Lançada em 1973, Money faz parte do famoso álbum The Dark Side of the Moon, é um Rock bastante empolgante, com muitos solos de guitarra e letra extremamente fácil de decorar, a qual faz uma crítica ao consumismo exagerado e a ganância, principalmente as pessoas da alta sociedade, usando do bom humor. Confiram abaixo um clipe da banda tocando esse sucesso ao vivo, com legendas, prestem atenção na letra:



Grande abraço, até a próxima! 

terça-feira, 8 de setembro de 2015

CAMINHO DOS CANYONS ESPECIAL: II FEIRA DO LIVRO E DE CULTURA, ARARANGUÁ


Olá caros leitores, tudo bem com vocês?

 Está acontecendo desde o dia 04 de Setembro em Araranguá a primeira edição da Feira do Livro e Cultura, evento que está dentro da programação da Primavera Cultural, e segue até o domingo (13/09), tendo uma programação bem variada, sendo uma excelente opção para  reunir os amigos e as famílias nesse fim de semana.
 Instalada na praça Hercílio luz, a Feira do Livro apresenta uma variada opções de livros para todos os públicos e gostos,  todos com preços bem populares, além ter atrações culturais, como apresentações musicais, dança, teatro, folclore, demonstração de artes marciais, palestras com autores e sessões de contações de estórias para a garotada, tendo um ambiente muito bacana e aconchegante.
 Evento criado no intuito de popularizar a literatura em Araranguá e na região,  a Feira do Livro é uma oportunidade para a população ter contato mais próximo com os livros, proporcionando momentos de diversão, conhecimento e cultura, tornando esse evento bastante especial para todos aqueles que fazem uma visita aos stands ou no palco montado na praça.
 Para finalizar, quero parabenizar todas as pessoas que organizaram esse belíssimo evento, especialmente ao Jair Arcenego Anastácio e o Daniel Soares, gostei demais do que vi, com toda certeza nos próximos anos sempre darei uma passada e mostrar aqui no blog, iniciativas como essa tem que ser compartilhada e feita em todos os lugares, convido a todos a visitarem a Feira do Livro de Araranguá, VALE MUITO A PENA IR LÁ E CONFERIR. ;)

Grande abraço, ate´a próxima!


segunda-feira, 7 de setembro de 2015

SRS ESPECIAL: III FESTA CÍVICA


Olá caros leitores, tudo bem com vocês?

 Como na maioria das cidades brasileiras, Santa Rosa do Sul, celebrou o dia 07 de setembro, data em que comemoramos a data da Independência do Brasil, proclamada por Dom Pedro I nas margens do rio Ipiranga, cidade de São Paulo, há mais de 190 anos atrás.
 Mantendo o costume iniciado há dois anos atrás, aconteceu a terceira edição da  Festa Cívica, trazendo diversas atrações culturais, no intuito de causar reflexão e diversão a toda população sobre o significado histórico dessa data no Brasil, Santa Catarina e em nosso município.
 Iniciando a festa, aconteceu o tradicional Desfile Cívico, tendo a participação das escolas e entidades municipais, sendo que esse ano foi ressaltado no desfile a cultura local, o folclore brasileiro, a valorização do esporte, a defesa da vida, os projetos sociais, as festas das escolas, o resgate das brincadeiras infantis e o verdadeiro sentimento de ser brasileiro. Logo após, foi executado o Hino nacional, havendo o pronunciamento do prefeito municipal, abrindo a Festa Cívica, a qual contou com apresentações das escolas do município, as quais ressaltaram a importância da infância e a valorização das brincadeiras infantis, encerrando assim a Festa Cívica. Confirma abaixo um vídeo mostrando os melhores momentos do evento:



Grande abraço, até a próxima! 

domingo, 6 de setembro de 2015

INFORMATIVO ESPECIAL: INDEPENDÊNCIA DO BRASIL


Olá caros leitores, tudo bem com vocês?

Abaixo segue um artigo na integra escrito por mim em 2009, durante a disciplina de História do Brasil Império, ministrada pelo professor Valdir Luiz Schwengber. O presente artigo vem fazer uma analise sobre o dia 7 de setembro de 1822, considerado pelos historiadores o dia da Independência do Brasil, mostrando como esse fato ganhou importância ao passar do tempo, tornando-se uma das manifestações cívicas mais importantes do calendário brasileiro e também sua influência em nossa identidade nacional. Abaixo tem a bibliografia completa para vocês lerem.

A INDEPENDÊNCIA DO BRASIL: FATO QUE CONTRIBUIU PARA A FORMAÇÃO DE NOSSA IDENTIDADE NACIONAL

A emancipação do Brasil, muitas vezes interpretada de forma contraditória, de maneira romântica ou patriótica, sem dúvida é um daqueles assuntos históricos que merecem nossa atenção.
 O famoso grito “Independência Ou Morte”, imortalizada em pinturas,  cinema, televisão (algumas vezes mostrado de maneira irônica ou erótica) e nos livros de História mexem profundamente com nosso sentimento patriótico, levando todos brasileiros aquela velha pergunta, será que realmente aquela cena as margens do rio Ipiranga aconteceu?
Nesse sentido, mesmo com os prós e contras, consideramos que a Independência do Brasil teve um papel fundamental para a criação de nossa identidade nacional atual.
Compreendendo que a Independência do Brasil é um fato histórico importante para a criação da identidade patriótica, descreveremos como aconteceu o processo de emancipação, discutindo sobre os famosos desfiles cívicos na Semana da Pátria, comparando o fato verídico com pinturas e filmes querem mostrar, além de relacionar ele com a realidade atual, respondendo a seguinte pergunta: Qual a influência da independência brasileira para a formação de nossa identidade nacional?
Anos após a chegada ao Brasil, a Família Real portuguesa pensava que tinha livrado-se de todos os seus problemas, inclusive de Napoleão Bonaparte, tudo iria ser tranqüilo, bela ilusão. Mesmo com o fim das Guerras Napoleônicas, a Europa  foi novamente agitada, devido às revoluções liberais.
Para piorar a situação de Portugal, em 1820, inicia-se a Revolução Liberal do Porto. Segundo Almeida da Silva (1995, p. 9), “a vitória da revolução liberal foi saudada com entusiasmo pelos brasileiros, e nas províncias logo foram eleitos deputados que iriam representar o Brasil nas Cortes”. A situação da Família Real ficou ainda mais complicada, que já estava preocupada com a onda de Independências na América Espanhola, lideradas por San Martín e Simon Bolívar.
Nesse contexto, em 1821,a Corte de Dom João VI teve que voltar as pressas para Portugal, tentar resolver os problemas relacionados à Revolução do Porto, deixando em seu lugar o príncipe regente, Dom Pedro. A seguir, as Cortes subordinaram todas as províncias brasileiras ao comando direto de Lisboa, fechando órgãos públicos brasileiros, favorecendo somente os comerciantes portugueses, além de fazer pressão para o príncipe regente voltar a Europa. Com essa política, as Cortes pretendiam recolonizar o Brasil, piorando ainda mais a situação daqui.
Esse fato foi decisivo para iniciar uma satisfação popular em relação a Corte portuguesa. Segundo Salles Oliveira (2005, p.11), “em decorrência da Revolução do Porto, evidenciaram-se incompatibilidades entre os interesses dos ‘portugueses’ de ambos os lados do Atlântico, o que teria ensejado o reajustamento das pretensões de grupos políticos enraizados no centro-sul, que se voltaram para a opção separatista tendo à frente D. Pedro”.
Logicamente, deixar Dom Pedro no Brasil foi uma jogada inteligentíssima de Dom João VI, pois assim manteria a monarquia na antiga colônia e, ao mesmo,  viabilizar a continuidade da dinastia de Bragança à frente do governo em uma eventual declaração de independência, a qual o rei tinha certeza, que mais cedo ou mais tarde iria acontecer.
Ao mesmo tempo, muitas revoltas eclodem de norte a sul, dividindo o país em dois partidos, o Partido Português e o Partido Brasileiro, o primeiro defendia logicamente os interesses de Lisboa,o segundo defendia a independência e uma união entre Brasil e Portugal, como nações amigas. Devido às pressões de vários setores, Dom Pedro  optou pela independência. Mesmo assim, as  pressões e decretos das Cortes de Lisboa continuavam ferozes, revoltando a população brasileira cada vez mais.
Vendo que Lisboa exigia incansavelmente o retorno imediato do príncipe regente a Europa, vários setores brasileiros organizaram uma campanha para coletar assinaturas a favor da permanência de Dom Pedro no Brasil, conseguindo 8 mil assinaturas, número expressivo para época, sendo entregue ao príncipe no dia 29 de dezembro de 1821, pelo presidente da Câmara Municipal do Rio de Janeiro, Clemente Pereira.
A resposta de Dom Pedro aconteceu no dia 9 de janeiro de 1822, expressado em sua celebre frase “Como é para o bem de todos e felicidade geral da Nação, estou pronto: diga ao povo que fico”. Com esse episódio conhecido como “O Dia Do Fico” , o príncipe regente entrava em rota de colisão com Lisboa, agora a independência seria uma questão de tempo.
Não demorou muito, a reação do Partido Português foi estacionar as tropas portuguesas no Rio de Janeiro, comandadas pelo general Avilez, que exigiam obediência de Dom Pedro às ordens das Cortes. No confronto que se seguiu, Avilez foi vencido e expulso do Brasil com suas tropas.
José Bonifácio, um dos ministros de Dom Pedro, convocou em fevereiro o Conselho dos Procuradores das Províncias do Brasil, no intuito de assessorar o príncipe regente, além é claro estabelecer uma ligação política entre o Rio de Janeiro e as outras províncias, procurando garantir a unidade territorial. 
Em maio, foi decretado que nenhuma ordem das Cortes seria aceita sem o “cumpra-se” do príncipe regente. No mês seguinte, o cenário político foi novamente tumultuado, devido às divergências dos partidários de José Bonifácio e os de Gonçalves Ledo quanto a convocação de uma Assembléia Constituinte, cujo objetivo era elaborar uma Constituição para o Brasil.
Gonçalves Ledo conseguiu mobilizar a opinião pública e a imprensa em defesa da convocação. Novamente pressionado, levou Dom Pedro a aprovar a iniciativa, e a Assembléia foi convocada. Nesse mesmo instante, inicia-se uma onda de revoltas de norte a sul, dando ínicio as chamadas guerras de independência. 
No final de julho, Dom Pedro viajou a província de São Paulo, tentar acalmar uma rebelião contra José Bonifácio. Ao retornar de Santos, próximos da capital paulistas, às margens do riacho do Ipiranga, chegaram  os últimos decretos das Cortes de Lisboa. Como não poderia deixar de ser, eram ordens severas, um delas era que anulasse a convocação do Conselho dos Procuradores.
Na mesma ocasião, também recebeu duas cartas pessoais, uma de seu ministro José Bonifácio e outra de sua esposa, Dona Leopoldina, que aconselhavam dom Pedro a romper definitivamente com Portugal, a alternativa que restava no momento era proclamar a independência.
Nesse contexto, Dom Pedro, irritado com as ordens de Lisboa, decide finalmente proclamar a Independência do Brasil, no dia 7 de setembro de 1822, no mesmo local aonde recebeu as cartas. Segundo a historiografia oficial, as margens do Ipiranga, o príncipe regente levantou sua espada e gritou “Independência Ou Morte”, libertando-nos do domínio de Portugal. No mês de dezembro, D. Pedro foi declarado Imperador.
Após esse fato, a independência se consolidou com relativa rapidez, com apoio econômico e diplomático da Inglaterra, enviando mercenários ingleses a favor de Dom Pedro nas lutas, que duraram até novembro de 1823. Daí nascia à nação que conhecemos como Brasil.
Depois de consolidada, o Brasil buscou reconhecimento de sua independência a outras nações. As primeiras a reconhecerem foram à Argentina, México e Estados Unidos, depois Inglaterra e por último Portugal, no dia 29 de agosto de 1825.
Ao contrário de que muitos historiadores pensam, a independência não teve a repercussão na data que ela ocorreu. Segundo Salles Oliveira (2005, p. 13), “Tampouco o dia 07 de setembro foi interpretado naquela ocasião como divisor de águas do processo histórico em curso”.
Já a situação social tampouco mudou com o 7 de setembro, a escravidão não foi abolida, quem era pobre continuou pobre e as desigualdades sociais proliferavam em todos cantos . Muitos cronistas estrangeiros que viajam pelo Brasil na época relataram com crueza essa realidade. Segundo Saint-Hilaire (1974, p. 94), “o povo nada ganhou absolutamente com a mudança operada. A maioria dos franceses lucrou com a Revolução que suprimiu privilégios e direitos auferidos por uma casta favorecida. Aqui, lei alguma consagrava a desigualdade, todos os abusos eram resultado do interesse e dos caprichos dos poderosos e dos funcionários. Mas são estes homens, que no Brasil, foram os cabeças da revolução”.
Até 1860, a data  07 de setembro não significava nada para o Império, nem o próprio dom Pedro I fazia menção a esse acontecimento em cartas que escreveu ao pai e ao povo paulista, praticamente no mesmo período. Durante o reinado de Dom Pedro II, essa data foi reconhecida, tornando-se feriado nacional, foram realizados desfiles cívicos para comemorar a data e também feitos monumentos no local aonde tudo aconteceu, onde hoje se encontra o Museu do Ipiranga, inaugurado em 1895, quando o Brasil já era um país republicano.
Com a inauguração do museu, o público brasileiro pode ver a famosa tela de Pedro Américo, “Independência Ou Morte”, o qual retratava a famosa cena do Grito da Independência, nas margens do riacho Ipiranga.
Inspirado nos relatos de pessoas que presenciaram o acontecimento, inclusive na crônica de Padre Belchior Pinheiro Ferreira e nos relatos do Tenente Canto e Mello e do Coronel Marcondes, integrantes da comitiva de Dom Pedro na época, criou uma obra, segundo Salles Oliveira (2005, p.59), “de fácil e prazerosa leitura, a narrativa de Pedro Américo instiga a reflexão não só em termos da interpretação sobre a Independência que expôs como em termos das práticas de investigação adotadas para realizara transposição da ‘verdade’ e de situações verossímeis, contidas nos registros escritos e orais que compilou, em imagens capaz de aprisionar o olhar e sensibilidade do espectador”. 
Já em 1972, o diretor Carlos Coimbra realiza um filme épico chamado “Independência Ou Morte”, é uma das produções cinematográficas mais caras feitas no Brasil, perdendo apenas para “Olga”. Com um elenco cheio de astros da televisão como Tarcísio Meira e Glória Menezes, figurino caro e uma maravilhosa mistura de aventura com História forma os ingredientes para ser um sucesso de bilheteria na época. Esse filme tem como fonte de inspiração a historiografia oficial e em telas de grandes artistas brasileiros como Pedro Américo, em especial na cena em que retrata o momento da independência. Mesmo com todo aquele discurso ufanista do regime militar, merece ser assistido e analisado.
O tema emancipação também já foi retratado em diversas novelas e seriados na televisão brasileira, algumas vezes com destaque, outras como pano de fundo. Um dos exemplos mais claros foi a minissérie “O Quinto Dos Infernos”, dirigida por Carlos Lombardi e exibida em 2002 pela Rede Globo. Retratou os bastidores da Independência de maneira cômica, com muita aventura e doses de erotismo, causando muitas polêmicas em vários setores, inclusive aos historiadores, mesmo assim foi um sucesso de audiência na época que foi exibida.
Os desfiles cívicos, muito tradicionais nessa época, ganham destaque na televisão e nos jornais em todo Brasil. Ultimamente, muitas entidades, em especial as da educação, vivem uma crise de identidade patriótica, e muitas das pessoas recusam-se a desfilar, inclusive as crianças e jovens, achando que é “coisa pra velho” ou simplesmente “não é mais tempo de ditadura militar”.
Mesmo assim, a Independência foi um fato que marcou profundamente, mesmo que seja tardiamente, a formação de nosso país como vemos hoje, ou em outras palavras, nossa identidade nacional.
Controvérsias e ufanismos à parte, a emancipação do Brasil foi um fato importante na história imperial, com a Independência deixamos de ser meramente uma colônia para sermos uma nação. A memória às vezes de nós brasileiros é curta, mas cabe a ela conscientizar nossos alunos a terem amor a pátria e não sejam vítimas de idéias alienantes. Conforme Le Goff (1996, p. 447), “a memória, onde cresce a história, que por sua vez alimenta, procura salvar o passado para servir o presente e o futuro. Devemos trabalhar de forma a que a memória coletiva sirva para a libertação e não para a servidão dos homens”.
Como podemos perceber ao fazer este estudo, o Brasil demorou um pouco para perceber o significado daquele dia 7 de setembro de 1822, e até hoje ainda existem pessoas que não compreendem essa data. Acreditam ser mais um feriado como qualquer outro, aonde acontece festas, desfiles cívicos e se canta hinos em praticamente todas as cidades do país e consideram uma tremenda “perca de tempo” assistir ou participar.
Mas é importante que nós jovens devamos compreender que essa data não é somente um “feriado qualquer”, que serve apenas para descansar e passear, mas para refletirmos sobre nosso país, como ele nasceu e cresceu no decorrer da História, criando um sentimento patriótico.  Sabemos que existem diversas invenções mentirosas embutidas na Independência, mas devemos aproveitar disso para aprendermos muitas coisas, pois verdades e mentiras estão sempre no meio na História da Humanidade.
Aprendemos ao longo dessa pesquisa a valorizar a história nacional, a discutir criticamente o verdadeiro sentido dos fatos, conhecemos um pouco mais sobre o processo de Independência do Brasil, e também aprendemos a amar cada vez mais nosso país, enfim, os objetivos que planejamos desde o início, acabaram sendo satisfatoriamente alcançados.
Gostaríamos de sugerir aos estudantes e pesquisadores que façam mais estudos e pesquisas aprofundadas e interdisciplinares sobre esse assunto. Também, a novas gerações, tão acostumadas com tantas novidades tecnológicas, que aprendam a valorizar a identidade de nosso país e que despertem o gosto pela História do Brasil, pois ela não pertence somente aos grandes imperadores, militares, burgueses, poetas ou sonhadores, mas sim a todas as pessoas que compõem o povo brasileiro, ou seja, nós.

                 REFERÊNCIAS:

SALLES OLIVEIRA, Cecília Helena de . 7 de setembro de 1822: A Independência do Brasil. 1. ed. São Paulo: Editora Lazuli, 2005.

PEREIRA, Andrio Cardoso . A independência do Brasil. Extremo Sul Notícias, Santa Rosa do Sul, n° 32, pg. 3, set. 2008.

INDEPENDÊNCIA OU MORTE. Direção: Carlos Coimbra (dir). Brasil: Vídeo Arte, 1972. 1 filme (108 min.), son., col.   

ALMEIDA DA SILVA, Arlenice. As Guerras da Independencia. 1 ed. São Paulo: Editora Ática, 1995.

GOFF, Jacques. História e memória. 4. ed. São Paulo: Editora da Unicamp, 1996.

SAINT-HILAIRE, Auguste de. Segunda viagem do Rio de Janeiro a Minas Gerais e a São Paulo (1822). Belo Horizonte/São Paulo, Itatiaia/Edusp, 1974.   

sábado, 5 de setembro de 2015

RETRÔ: ASTERIX & OBELIX



Olá caros leitores, tudo bem com vocês?

 Você conhece os personagens da figura acima? Eles são considerados os maiores heróis das revistas de quadrinhos de comédia de todos os tempos, atravessando várias gerações com um humor bastante original, infantil e muito engraçado, fazendo parte da cultura pop mundial, estou falando é claro do Asterix & Obelix.
 Criado em 1959 pelos cartunistas franceses Albert Uderzo e René Goscinny, Asterix & Obelix estrelaram mais de 35 gibis, 11 filmes, sendo oito de animação e três de live action, inúmeros games, brinquedos, guloseimas e um parque temático gigantesco na França, semelhante a Disney.
 As aventuras da dupla são ambientadas na antiga Gália, território localizado onde hoje é a França, na época em que a região foi invadida pelo Império Romano, sendo a vila de Asterix a única que consegue resistir a invasão, sempre conseguindo vencer os romanos de maneira engraçada.
 Parodiando um período histórico importante da França, as aventuras de Asterix & Obelix, apesar de usar o humor para mostrar a História, usando de elementos históricos reais, como mapas, costumes de povos da antiguidade, acontecimentos históricos e de descrições historiográficas, tornando as estórias muito divertidas e interessantes, além de fazer Asterix & Obelix personagens carismáticos da cultura pop mundial.   


Grande abraço, BOA SEMANA, até a próxima.   

sexta-feira, 4 de setembro de 2015

POEMA: MEU JEITO DE SER



Existe uma força tremenda em mim,
A qual faz superar todas as barreiras,
Sem temer ou desistir de lutar,
Sentindo uma vontade enorme de viver.

Não sou um pobre coitado,
Nunca fiz trapaças para me dar bem,
Jamais subestimei alguém,
Tudo o que tenho, foi conquistado por mim mesmo.

Uso a cabeça e o coração antes de agir,
Sentimental, romântico e verdadeiro,
Não uso máscaras ou fingo aquilo que não sou.

Quero sempre ir além dos meus limites,
Não dou bola para opiniões maldosas,
Vou ser sempre assim, pois desse jeito sou feliz.

Autor: Andrio Cardoso Pereira

BOM FIM DE SEMANA, ATÉ A PRÓXIMA! 

quinta-feira, 3 de setembro de 2015

SRS ESPECIAL: II FESTA CÍVICA RETROSPECTIVA 2014


Olá caros leitores, tudo bem com vocês?

 Como na maioria das cidades brasileiras, Santa Rosa do Sul, celebrou o dia 07 de setembro, data em que comemoramos a data da Independência do Brasil, proclamada por Dom Pedro I nas margens do rio Ipiranga, cidade de São Paulo, há mais de 190 anos atrás.
 Diferentemente dos anos anteriores, em que o Dia da Independência era celebrado apenas com um desfile tradicional, em 2014 Santa Rosa do Sul promoveu a segunda edição da Festa Cívica, dando continuidade ao evento realizado em 2013, trazendo diversas atrações culturais, no intuito de causar reflexão e diversão a toda população sobre o significado histórico dessa data no Brasil, Santa Catarina e em nosso município.
 Resumidamente, no fim da madrugada o grupo municipal Filhos da Terra realizaram a Alvorada Festiva, acordando toda a população, lembrando sobre o dia 07 de setembro e convidando todos a participarem da Festa Cívica. Um pouco mais tarde aconteceu o tradicional Desfile Cívico, tendo a participação das escolas e entidades municipais, sendo que esse ano foi ressaltado no desfile a cultura local, o folclore brasileiro, a valorização do esporte, a defesa da vida, os projetos sociais, as festas das escolas, o resgate das brincadeiras infantis e o verdadeiro sentimento de ser brasileiro. Logo após, foi executado o Hino nacional, havendo o pronunciamento do prefeito municipal, abrindo a Festa Cívica, a qual contou com apresentações das escolas do município, as quais ressaltaram a importância da infância e a valorização das brincadeiras infantis, encerrando com um belíssimo show da Orquestra Vozes de Betel. Confirma abaixo um vídeo com os melhores momentos do evento:



 Segunda feira, dia 07 de Setembro, como já é de costume, o Blog do Professor Andrio estará fazendo a cobertura da III Festa Cívica de Santa Rosa do Sul, na terça feira, postagem especial com os melhores momentos desse evento, que já é tradição no calendário de eventos em nosso município, NÃO PERCAM.

Grande abraço, BOM FIM DE SEMANA, até a próxima.

quarta-feira, 2 de setembro de 2015

POEMA: MEMÓRIA


Lembrar daquilo que viveu,
Manter vivo a História e a cultura,
Não deixar se intimidar pela opressão,
Estar sintonizado com passado, presentes e futuro,
Dar continuidade a nossa trajetória,
Essa é a função da Memória.

Autor: Andrio Cardoso Pereira