sábado, 30 de junho de 2012

ESPECIAL POLVILHANA: TARDE GOSPEL


Olá caros leitores, tudo bem com vocês?

 Na tarde desse sábado (30/06), houve um dos momentos mais lindos de toda 5ª POLVILHANA, a Tarde Gospel, reunindo várias denominações religiosas, unindo católicos e evangélicos, num momento de fé, louvor, de belíssimas apresentações musicais, as quais emocionaram a todos, além de ser um momento de purificar a alma e o coração.



Um grande abraço até amanhã com a última reportagem especial da POLVILHANA.

ESPECIAL POLVILHANA: MARATONA CROSS COUNTRY


Olá caros leitores, tudo bem com vocês?

 Na manhã desse sábado (30/06), o esporte foi a principal atração da 5ª POLVILHANA, com a Maratona Cross Country, evento presente desde a primeira edição, reúne pessoas de diversas idades, no intuito da prática do atletismo.
  Havendo logicamente várias categorias e premiações, os nossos atletas daqui de Santa Rosa do Sul deram um exemplo de saúde, energia e alegria ao percorrem as ruas de nossa cidade, superando todos os limites de nosso corpo. Quero parabenizar a todos os participantes da maratona, vocês são exemplos para todos, e parabenizar a todos os vencedores. Abaixo mais fotos do evento, uma excelente tarde, até logo mais.




ESPECIAL POLVILHANA: ABERTURA OFICIAL DA FESTA (29/06)


Olá pessoal, boa noite tudo bem com vocês?

 Na noite de sexta, a 5ª POLVILHANA foi aberta oficialmente com uma belíssima cerimônia de abertura com diversas atrações culturais locais, organizadas pelas escolas e entidades culturais daqui do munícipio de Santa Rosa do Sul. Após o pronunciamento de declaração de abertura feita pela prefeita Gecy, houve uma belíssima queima de fogos. Também foi a aberto o FEPROART, feira industrial e cultural, a qual será feita uma reportagem específica ou sábado ou domingo, aguardem.





 O grande destaque dessa noite, além da banda Barra da Saia, foi o show da banda Black Time, formada por músicos experientes e que tem uma belíssima História na música de Santa Rosa do Sul, formada por Alexandre (guitarra e voz), Silnei (bateria e voz), Rodrigo (baixo) e Willian (guitarra), colocaram a galera para dançar o velho e bom Rock'n'Roll.




Uma boa noite, um grande abraço, até amanhã com mais uma reportagem especial da 5ª POLVILHANA.

sexta-feira, 29 de junho de 2012

ESPECIAL POLVILHANA: TARDE DA MELHOR IDADE (TERCEIRA IDADE)


Olá pessoal, tudo bem com vocês?

 Na ensolarada tarde dessa sexta, a 5ª POLVILHANA teve uma programação muito especial e bem divertida, totalmente destinada a Terceira Idade. Organizada pelo grupo Amigos Para Sempre, daqui de Santa Rosa do Sul, como é de costume houve um animado baile que durou a tarde inteira, também houve a troca de Rainha e Princesas da Terceira Idade e um divertido teatro, brincando com a famosa canção da dupla Jane & Herondy "Não Se Vá". 




Abaixo um pequeno vídeo do baile da Terceira Idade. Um grande abraço, daqui algumas horas, mais uma reportagem especial, direto da 5ª Polvilhana, até mais.


ESPECIAL POLVILHANA: MANHÃ DAS CRIANÇAS (28/06/2012)



Olá caros leitores, tudo bem com vocês?

 Com sol e céu azul, as atividades da 5ª Polvilhana reiniciaram nessa linda manhã de sexta feira, com uma manhã totalmente voltada para a criançada, com presença de palhaços, houve muitas brincadeiras divertidas, muita música, dança e atividades que agradaram crianças, adolescentes e também adultos, que voltaram a ser crianças novamente. A foto abaixo mostra um divertido momento de descontração do nosso pároco, padre Sidnei brincando no Pula-pula, o qual divertiu a todos. Quero aproveitar e mandar meu grande abraço ao padre Sidnei e agradecer por me autorizar a registar e divulgar esse momento engraçado e bonito. 


Além disso, houve uma belíssima apresentação de Capoeira realizado pelo grupo Grilhões da Liberdade, que faz um lindo trabalho sócio-educacional com jovens e crianças daqui do munícipio. Abaixo um pequeno vídeo dessa apresentação.


Um grande abraço, daqui a pouco tem mais uma reportagem especial direto da 5ª POLVILHANA. 

RESUMO DO PRIMEIRO DIA DA POLVILHANA


Olá pessoal, tudo bem? uma boa noite

 Na primeira noite da POLVILHANA (28/06) aconteceu o já tradicional FEMEC, Festival Municipal Escolar da Canção, aonde reuniu talentos musicais de todas as escolas do município de Santa rosa do Sul, dando um brilho especial a noite, havendo canções dos mais variados estilos do sertanejo ao gospel. Os vencedores desse foram:

1º Caroline Cardoso
2º Yago da Rocha
3º Ediana Souza

 Após o FEMEC, houve a tão esperada escolha das princesas e rainha da POLVILHANA, tendo um verdadeiro desfile de beleza, charme e elegância, levando a multidão ao delírio. Após uma demorada apuração de votos dos jurados, as princesas e a rainha são:

Princesas: Jéssica Tristão e Luciele Rodrigues
Rainha: Dieniffer Tristão Lumertz


 O professor Andrio quer parabenizar a todos que participaram do FEMEC, deram um show a parte, todos arrasaram. Também a todas as meninas que participaram do concurso da rainha e princesas da POLVILHANA, todas são lindas, inteligentes e merecem meu aplauso.

Uma boa noite, até a próxima  postagem especial.

quinta-feira, 28 de junho de 2012

5ª POLVILHANA COBERTURA COMPLETA NO BLOG DO PROFESSOR ANDRIO


Olá pessoal, tudo bem com vocês?

 Hoje em Santa Rosa do Sul inicia a quinta edição da tradicional Festa do Polvilho e da Banana, a POLVILHANA, tendo diversas atrações artísticas, culturais e gastronômicas que faram a alegria dos moradores de munícipio até domingo.
  Como não poderia deixar de ser, O BLOG DO PROFESSOR ANDRIO irá fazer a cobertura histórica do evento, podendo haver mais de uma postagem diária, sem esquecer de nenhum detalhe, podendo haver textos com fotografias ou vídeos, iniciando agora as 18:30 de hoje indo até ás 19 horas do dia 01/07 (domingo) fiquem ligados.
  Queria convidar todos a participar da festa, tragam a sua caravana e venham fazer a festa aqui com o povo de Santa Rosa do Sul acima está um cartaz com as atrações principal, sintam-se em casa e a gente se vê por lá. Um grande abraço até a próxima postagem.
  

quarta-feira, 27 de junho de 2012

SANTA ROSA DO SUL

No ínicio, os Carijós foram os primeiros habitantes dessa terra,
Séculos depois, Manoel Rodrigues da Silva comprou terras localizadas na região,
Eram tempos difíceis, sertão bravio, colonos e índios em guerra,
Iniciando assim o processo de colonização.

Houve aqui um episódio que continua mexer com o imaginário da cidade,
Um terrível assassinato que ocorreu em um morro com requintes de crueldade,
O qual fez toda a sociedade daquela época de indignação estremecer,
Morro das Mortes, dali em diante passou esse lugar a conhecer.

Tempos depois, apareceu nosso primeiro colonizador,
Chico do Mato, grande homem e desbravador,
Foi o primeiro a ter contato pacífico com os índios aqui, tendo com eles uma bonita amizade,
Oferecendo a eles produtos cultivados em sua propriedade.

Após chegar as primeiras famílias aqui, a colonização começou a acentuar,
Chefiados por Alfredo Teixeira da Rosa, Alfredo Emerim e Alfredo José dos Santos,
Dali em diante de Três Alfredos a localidade passou a se chamar.

O tempo passou, o pequeno povoado virou vilarejo,
Foi fundada a capela local, com muito festejo,
Também sendo comemorada a chegada da imagem da santa milagrosa,
Sendo o lugar conhecido definitivamente como Santa Rosa.

De vilarejo, Santa Rosa  cresceu progressivamente, até virar distrito do município de Sombrio,
Depois de anos de tentativas, em 1988 chegou a nossa emancipação,
As ruas de Santa Rosa do Sul foram tomadas por uma imensa comemoração.

De 1988 até o atual momento, o munícipio continua crescer rumo ao futuro,
Tendo um povo trabalhador, simpático, festivo, paisagens exuberantes, um lindo céu azul,
Essa é a História de Santa Rosa do Sul.

Autor: Andrio Cardoso Pereira






terça-feira, 26 de junho de 2012

DESIGUALDADE SOCIAL



Enquanto uns vivem na mordomia,
Outros nem tem uma cama para dormir essa noite,
Essa é a realidade do Brasil e de diversos países mundo a fora,
Tem gente que tá nem aí para os pobres.

Parece até coisa de cinema,
Alguns políticos falam que o mundo está mudando,
Aonde? Isso é uma mentira absurda,
Apenas para ganhar voto dos otários.

Enquanto tiver alguém passando fome,
Mendigando, usando drogas, se prostituindo, sem moradia e sofrendo,
Não acredito nesse papo furado.

Há muita desigualdade social,
Chega de promessas, queremos mudanças reais já,
Não podemos esperar, temos muito o que fazer.

Autor: Andrio Cardoso Pereira

quinta-feira, 21 de junho de 2012

FÁBULA CONTADA POR PROFESSOR ANDRIO: O PINTOR DE LEMBRANÇAS



Olá caros leitores, tudo numa boa?

Esse é o segundo episódio da série FÁBULAS CONTADAS PELO PROFESSOR ANDRIO, a qual conto uma estória a criançada ao vivo. Nessa semana, a estória contada foi tirada do livro "O Pintor de Lembranças", escrito por José Antônio del Cañizo e Jesús Gában, a qual faz um singelo tributo a arte e também a memória, confiram:

Um grande abraço, até a próxima 

SONETO AS CRIANÇAS




Atenção criançada, chegou a hora de brincar,
Podem pular, sorrir e sonhar,
Viajar para o mundo da fantasia,
Afinal, vocês deixam o mundo mais cheio de alegria.

Crianças, vocês são o futuro da nação,
São anjos de puro coração,
Demonstra teus sentimentos com muita sinceridade,
Transformam seus sonhos em realidade.

São exemplos que podem existir um mundo de paz e amor,
Brigam, mas acabam se perdoando pouco tempo depois,
De longe sentem nossa mais profunda felicidade ou dor.

Dedico esses versos as todas as crianças do mundo,
Feito com muita simplicidade, mais feito com muita sinceridade e coragem,
Essa foi a você minha humilde homenagem.

Autor: Andrio Cardoso Pereira

terça-feira, 19 de junho de 2012

A NOVEMBRADA DE 1979: A REVOLTA EM FLORIANOPÓLIS QUE AJUDOU A DERRUBAR A DITADURA MILITAR




O movimento estudantil no Brasil durante a ditadura militar teve importância fundamental, reivindicando liberdade de expressão, direitos civis e por melhor qualidade de vida.
Aqui em Santa Catarina, ao contrário de que muitos pensam, não era muito diferente, a Novembrada é uma prova viva de que o movimento estudantil foi muito ativo em nosso estado, revolta a da qual mudou o destino da política nacional, sendo marco inicial para a abertura do país, derrotando um regime autoritário que já durava mais de 20 anos.
Nesse sentido, consideramos que a Novembrada tem um papel fundamental no final da ditadura militar.
Analisando e discutindo sobre esse acontecimento tão importante para a política brasileira no fim dos anos 70, apontando as causas que motivaram estudantes e o povo de Florianópolis se rebelar contra a vista do presidente João Baptista Figueiredo e quais as conseqüências que essa revolta tiveram, respondendo a seguinte pergunta:qual a influência da Novembrada teve em relação com abertura política no fim da ditadura militar? Antes de responder, vamos fazer um contexto histórico do Brasil desse período.
A política imposta pelos militares após 15 anos começava a mostrar sinais de fraqueza, devido à pressão popular e das greves operárias que eclodiram de norte a sul do Brasil. Vendo-se numa situação extremamente delicada, decidiu-se em então realizar uma abertura lenta do país, iniciando no governo de Ernesto Geisel que revogou em 1978 o famoso Ato Institucional 5, sendo continuada pelo governo de João Baptista Figueiredo a partir de 1979.
De acordo com Napolitano (1998, p. 77), "do ponto de vista do Estado de Segurança Nacional, o ano de 1979 definiu os limites da política de abertura. Ao mesmo tempo em que negociava a questão da anistia com os partidos e com instituições civis da elite, o governo deixava claro que a liberação não se aplicava à classe trabalhadora".
Nesse contexto, mesmo com o fim das perseguições, torturas e censura dos meios de comunicação, o povo brasileiro começou a se rebelar contra a ditadura, pedindo a anistia de políticos e intelectuais oposicionistas que estavam fora do Brasil ou presos. Em agosto de 1979, o governo promulga uma lei que dava liberdade aos que foram presos por crimes políticos e dava liberdade para os que estavam no exterior voltar a sua pátria, enfim a sociedade brasileira estava respirando um pouco mais aliviada.
Apesar de toda euforia desses acontecimentos, o povo brasileiro não tinha muitos motivos para comemorar, a inflação aumentava a cada dia mais, os salário dos trabalhadores ficava mais baixo, o alto preço dos alimentos nos mercados, acabou proliferando o estado de miséria e fome por todos os lados. Novamente, protestar seria a maneira ideal para buscar mudanças.
Por exemplo, na região do ABC paulista, ocorreram inúmeras greves operárias ocorreram em 1979, transformando num reduto oposicionista contra a ditadura. Nesse momento, surgi a figura de Luís Inácio da Silva, o Lula, que ganharia destaque nacional, e posteriormente acabaria sendo eleito Presidente da República no Brasil.
Não muito diferente dos outros estados brasileiros, Santa Catarina estava abandonado pelo governo federal, os arrochos salariais deixaram inúmeros catarinenses numa situação de miséria e fome. Para piorar a situação, o preço dos combustíveis aumentou, complicando a vida de quem necessitava de transporte para trabalhar. Nesse momento, era possível prever uma revolta da população, mas faltava algum motivo.
Em meados de 1979, o governo anuncia uma visita de João Baptista Figueiredo a Florianópolis para o final de novembro daquele ano. De imediato, o governador "biônico"do estado na época, Jorge Bornhausen mandou fazer os preparativos da festa, inclusive encomendaram uma canção alusiva à visita de Figueiredo ao compositor Luís Henrique, chamada Samba da Conciliação, vejamos agora um trecho dessa canção:

Presidente João
O povo do Brasil nesta canção
Vem lhe pedir humildemente
Um minuto de atenção.
O coração brasileiro não se cansa
De ter sempre uma esperança
Para a vida melhorar.
Pode contar com a gente
Presidente
A decisão está na sua mão.
Santa Catarina saúda João
O presidente da conciliação. (MIGUEL, 1995, P.16)
De ínicio parecia que essa visita seria um sucesso, todos os preparativos foram minuciosamente pensados, afinal não queriam fazer feio na frente da autoridade máxima do país, tinha que ser uma festa monumental, mostrando o calor da hospitalidade da gente catarinense. Mas algo estava tirando o sono de alguns membros da ARENA (partido que apoiava os militares), o Diretório Central dos Estudantes.
Irritados com a vinda do presidente-general a Florianópolis, os estudantes da UFSC decidiram em realizar uma manifestação de protesto contra o regime, devido ao alto custo de vida dos moradores, ao arrocho salarial, exatamente no dia da visita de Figueiredo, no dia 30 de novembro.
Dias antes de vir antes a Santa Catarina, o presidente Figueiredo mandou de presente uma placa de bronze em homenagem aos 90 anos da Proclamação da República, fazendo alusão a Floriano Peixoto, patrono da cidade. Para muitos moradores, isso foi um insulto horrendo, pois em 1894, durante a Revolução Federalista, o "Marechal de Ferro" mandou fuzilar centenas pessoas na fortaleza de Anahatomirim, por fazerem oposição ao regime republicano, mudando nome da cidade de Desterro para Florianópolis.
De acordo com Miguel (1995, p. 43), "personalidades importantes da vida cultural catarinense, como o pesquisador Franklin Cascaes, vinham protestando contra a homenagem e pregando a volta ao antigo nome da cidade, Desterro". Estava acesso o estopim para a revolta, agora o povo tinha motivos de sobra para se rebelar contra o governo.
Enquanto o povo estava enfurecido com os desmandos dos governantes, os estudantes da USFSC, liderados por AdolfoLuis Dias, planejavam como seria essa manifestação, escrevendo panfletos de protesto. O panfleto a seguir mostra bem a revolta dos estudantes com a ditadura:
Hoje, após 15 anos de repressão, o governo nos presenteia com a visita de seu Chefe, o general João Baptista Figueiredo. Nesses anos todos, o povo pagou com seu suor as mordomias dos caciques governamentais. Pagou com seu suor quando viu a inflação cada vez mais alta e seu salário cada vez mais baixo. Paga com seu suor quando o preço dos gêneros alimentícios aumenta a níveis exorbitantes, fazendo com que as famílias possam apenas sonhar com a comida que os 'homens do governo' esbanjam. Por isso, devemos deixar claro que, por mais que seja a campanha publicitária que o governo faça para mudar a sua fachada, não vai conseguir enganar o povo. Quando o general 'João' afaga com sua mão a cabeça de uma criança, esconde a outra mão que sustenta o fato de hoje existirem milhares e milhares de crianças brasileiras abandonadas e famintas. Apesar do general 'João' achar que 'seu problema não é o povo e sim a nação' ele se esqueceu que cada aumento de gasolina afeta diretamente os trabalhadores que dependem do transporte como meio de vida. Com isso, torna-se claro que os problemas do povo são diferentes dos problemas do general. Quem viaja de avião a jato e passeia de Galaxie (às custas do povo) nunca vai se preocupar com o preço da gasolina. Igualmente, quem está habituado a receber banquetes de 6 mil talheres, 3000 quilos de carne, 6000 litros de chopp (também às custas do povo) pouco ta se importando com o preço de um prato de comida. O povo não se engana mais. Exige melhores condições de vida.(MIGUEL, 1995, pgs. 19 e 20)
Eis que chega o dia 30 de novembro, os membros da ARENA estão extremamente preocupados, devido ao medo dos protestos. Conforme Miguel (1995, pg.9), "alguns arenistas acalmaram seus colegas mais nervosos. Não iria acontecer nenhum problema, toda a visita fora programada nos seus mínimos detalhes. O protesto era um sapo a ser engolido, agora que o país ia virar- lenta e gradualmente- uma democracia, mas não teria maior repercussão".
Nas primeiras horas da manhã, milhares de pessoas já se reuniam na frente do palácio Cruz e Souza, sede do governo catarinense, esperando a chegada de João Baptista Figueiredo. No meio dessa multidão, estavam os estudantes responsáveis pelo protesto, mas o clima era bem tranqüilo até antes da chegada do presidente da República, que chegou ao palácio precisamente às 10 da manhã.
Nesse instante, a manifestação programada pelo DCE eclodiu e as primeiras palavras de ordem começam a ser ouvidas, como por exemplo, "abaixo a ditadura", "chega de sofrer, o povo quer comer", "abaixo a exploração, mais arroz e mais feijão". Para abafar o protesto, foram ligados no volume máximos os alto-falantes instalados nas janelas do palácio Cruz e Souza, executando o Samba da Conciliação. Tentativa em vão, cada vez mais o coro do protesto ficava mais forte.
Pouco tempo depois, taxistas, Office - boys, colegiais e outros populares aderiram a manifestação. Nesse momento, tudo começa a fugir do controle, começando pelas palavras e ordem que mudaram de tom, de "abaixo a ditadura" para "filho da puta" ou "um, dois, três, quatro, cinco, mil, queremos que o Figueiredo vá pra puta que pariu" ou "cavalo" e também a polícia começa a agir, reprimindo a manifestação e rasgando os cartazes anti-Figueiredo.
Nem estudantes e nem as autoridades presentes esperavam a adesão popular, a tensão toma conta da bancada arenista. Para acalmar os nervos, Figueiredo vai à sacada e faz um sinal de OK para a população, mas é vaiado violentamente pelos manifestantes, que entenderam o gesto do presidente como obsceno. Por motivos óbvios, ele acaba cancelando o seu discurso.
Pouco depois, a comitiva presidencial decidiu fazer uma caminhada pelo calçadão até o famoso bar Ponto Chic, localizado poucos metros do Palácio Cruz e Souza, aonde seriam recebidos com uma festinha. Cercados por um forte esquema de segurança, conseguiram chegar sem muitos problemas. Mas essa aparente tranqüilidade durou por pouco tempo.
Em questão de minutos, o Ponto Chic estava cercado de manifestantes revoltados e novamente xingamentos, palavras de ordem e muita confusão voltaram a acontecer. A PM veio reprimir, mas a violência acabou explodindo, espalhando-se por toda capital, ficando praticamente incontrolável, havendo depredações, pessoas feridas e muita gritaria. Segundo Miguel (1995, pg. 41), "o próprio Figueiredo não escapou e recebeu um empurrão".
Na praça, os manifestantes ainda arrancaram a placa em homenagem ao marechal Floriano Peixoto, quebrando e ateando fogo nela acabando sendo arremessada na frente do palácio Cruz e Souza. Depois desse ocorrido, nunca mais se comentou em fazer homenagens ao "marechal de ferro".
Até a metade tarde do mesmo dia, alguns focos isolados de revolta eclodiram, mas foram logo controlados pela polícia. O clima de velório ou feriado prevaleceu no restante do dia, as lojas e repartições foram fechadas, com medo de mais depredações, e não havia quase mais ninguém nas ruas.
Após conseguirem fugir da confusão, a comitiva presidencial foi direto para a cidade de Palhoça, aonde seria realizado um churrasco, patrocinado pela bancada catarinense da ARENA. Muitos arenistas se orgulhavam das "porradas" que deram nos manifestantes, fazendo piadas. Após o churrascada, João Baptista Figueiredo e sua comitiva foram direto ao aeroporto Hercílio Luz, despedindo-se assim de Santa Catarina.
No dia seguinte inúmero jornais do país noticiaram a manifestação de protesto em Florianópolis, inclusive aqueles de grande circulação como Zero Hora, Diário Catarinense, Folha de São Paulo, tendo uma repercussão forte naquela época, causando um certo desconforto aos militares.
Mesmo antes da chegada de Figueiredo em Brasília, a polícia federal começou os trabalhos de investigação, para descobrir e reprimir os responsáveis pelo protesto. Dias depois, sete pessoas foram presas, entre elas Marize Lippel, Amilton Alexandre- o "Mosquito" -, Ligia Giovanella e Adolfo Dias, todos ligados ao DCE catarinense.
De imediato, inúmeras manifestações, incluindo atos ecumênicos foram realizadas nas semanas seguintes, pedindo a liberdade dos presos. Algumas dessas manifestações acabaram em confusão, masdevido à maciça pressão popular, os estudantes foram libertos no dia 12 de dezembro de 1979.
Como conseqüências principais, o regime militar começou a mostrar sinais evidentes de fraqueza, o autoritarismo não assustava mais ninguém, nada mais podiam fazer para esconder, isso abriu caminho para um dos movimentos mais importantes da História política brasileira, o das Diretas Já.
A Novembrada, como ficouconhecido o protesto do dia 30 de novembro de 1979 em Florianópolis, foi um raro momento histórico em que a população revoltou-se contra o regime autoritário dos militares, sendo um relâmpago de liberdade no meio de tanta opressão.
Enquanto nos grandes centros, Figueiredo foi aplaudido, em Florianópolis foi vaiado, agredido e xingado, por que? Talvez nunca poderíamos encontrar uma resposta cabível para explicar o que realmente aconteceu.
Passado quase 30 anos, a Novembrada destaca-se como um momento ímpar da História do estado e também do país, sendo um dos dias mais inusitados e espetaculares já vividos em Florianópolis, um misto de comédia pastelão com o celebre clássico de Sergei Eisenstein "Encouraçado Potemkim", devido à situação ridícula em que ficou a bancada da ARENA catarinense e também pela violenta repressão policial.
A memória desse acontecimento é um fator fundamental para compreendemos como era a sociedade brasileira e catarinense no fim dos anos 70 e suas aspirações por liberdade, nos inspirando a lutar por um país melhor. Conforme Le Goff (1996, p.447), "a memória, onde cresce a história, que por sua vez a alimenta, procura salvar o passado para servir o presente e o futuro. Devemos trabalhar de forma a que a memória coletiva sirva para a libertação e não para a servidão dos homens".
Em 1998, o episódio ganhou um curta-metragem chamado de "Novembrada", dirigido por Eduardo Paredes, sendo vencedor do Festival de Cinema de Gramado. Jorge Bornhausen, tentou impedir o lançamento do filme,devido à forma irônica que ele foi retratado na película.
Resumindo, a importância da Novembrada segue até nos dias de hoje, inspirando muitos estudantes catarinenses. Podemos perceber isso em 2004, quando os estudantes da USFC, revoltados com o preço alto das passagens, realizaram uma grande manifestação em Florianópolis, que ficou conhecido como a Revolta da Catraca.
Aprendemos durante nessa pesquisa a valorizar nossa História local, fazendo comentários do tipo"aqui não houve manifestações contra a ditadura". A Novembrada foi uma prova bem clara de que existiu movimento oposicionista contra o regime militar, pequeno sim, mas muito forte.
Gostaríamos de sugerir aos estudantes catarinenses a ter mais preocupação com esse acontecimento, realizando pesquisas e estudos mais aprofundados sobre o tema. Também, aos professores que aprendam a valorizar nossa História atual, pois só assim poderemos realmente entender como funciona nossa sociedade atual, relembrando daquele memorável dia 30 de Novembro de 1979.

REFERÊNCIAS:
-NAPOLITANO, Marcos. O regime militar brasileiro: 1964-1985. 4.ed. São Paulo: Editora Atual, 1998.
-MIGUEL, Luís Felipe. Revolta em Florianópolis: a Novembrada de 1979. 1.ed. Florianópolis: Editora Insular, 1995.
-LE GOFF, Jacques. História e memória. 4. ed. São Paulo: Editora da Unicamp, 1996.

Um grande abraço, até a próxima

domingo, 17 de junho de 2012

FESTA DE SANTO ANTÔNIO EM SOMBRIO 2012 (15/06 A 17/06)



Olá caros leitores, tudo bem com vocês?


 Nesse final de semana aconteceu em Sombrio a tradicional festa em honra a Santo Antônio de Pádua, padroeiro do munícipio, juntamente com a segunda edição da Feira Multisetorial de Sombrio, tendo atividades religiosas, gastronômicas, shows musicais e muita cultura.
  
   
 Esse ano foi realizado uma singela e bonita homenagem aos 28 anos da morte do padre João Reitz, um personagem singular na História do extremo sul de Santa Catarina, foi idealizador da construção da atual igreja matriz de Sombrio, havendo uma belíssima exposição de fotos e objetos apresentando sua vida e obra. Também esse ano está sendo comemorado 75 anos da construção da igreja matriz, um fato histórico marcante para Sombrio e região. 


  

   Além das atrações culturais, havia a Feira Multisetorial de Sombrio, apresentando um pouco dos setores industriais e trabalhistas do munícipio com diversos stands, recheado de atrações e serviços. Havia um parque de diversão para animar toda a galera e uma gigantesca praça de alimentação com shows musicais, atraindo muitas pessoas. 


 Um dos momentos mais belos da festa foi sem dúvida nenhuma a missa e procissão em honra a Santo Antônio, reunindo centenas de pessoas nas ruas de Sombrio, mesmo com uma chuva insistente, os fieis continuaram firmes, dando um belíssimo exemplo de devoção ao padroeiro da cidade. Enfim, a festa estava muito bonita, organizada, todo mérito da festa são dos padres Vandinho e Daniel, que fazem um trabalho  lindo naquela paróquia, que não medem esforços para fazer as coisas acontecerem, sendo admirados em toda região, marcando a atual História religiosa e cultural de Sombrio.

Um grande abraço, boa semana tudo de bom.

quarta-feira, 13 de junho de 2012

Vida (By ANDRIOFILMES E A VOZ DO POETA 21)


Olá caros leitores, tudo bem com vocês?

Esse vídeo-poema é uma parceria entre a ANDRIOFILMES e a VOZ DO POETA 21, já existente nos tempos da faculdade. Nesse pequeno vídeo fala um pouco sobre a vida, sobre nossas escolhas, bastante filosófico e bem emotivo, com a trilha sonora da saudosa banda Legião Urbana, o resultado dessa mistura vocês podem conferir nesse trabalho.

Um grande abraço, até a próxima.

segunda-feira, 11 de junho de 2012

A DITADURA MILITAR NO BRASIL (1964-1985)


Olá caros leitores, tudo bem?

  No dia 31 de março de 1964, o Brasil entrava num período em que a obscuridade e a violência eram soberanas, e a liberdade e a democracia quase não existiram. Estou falando do golpe de Estado que as Forças Armadas deram nesse dia, a qual resultou numa longa ditadura no país, durando 21 anos.
   Durante esse período, muitas pessoas sofreram perseguições das mais variadas formas, torturas sádicas ou foram sumariamente assassinadas sem direito a defesa, acusadas de serem "comunistas" ou opositores do regime.
  Além disso, havia um forte sistema de censura, que proibia livros, filmes, peças de teatro, músicas, programas de rádio ou televisão, notícias em revista e jornais e todos outros tipos de manifestações artísticas e culturais que fossem contrárias ou criticavam o regime e a seus apoiadores.
  Devido a esse fechamento, muitas pessoas aderiam a luta armada, outras fugiram, buscando exílio em outros países, outras ainda organizaram  partidos políticos e movimentos oposicionistas. A situação só começou a melhorar a partir do fim dos anos 70, quando o regime aboliu a tortura e decretou a lei da Anistia, dando os primeiros sinais de fraqueza, culminando com sua queda, em 1985.
  Hoje em dia, toda aquela produção intelectual e artística feita na época serve de base para entendermos tudo o que aconteceu no período entre 1964 a 1985, além de serem uma referência importante para a nossa cultura, e também são patrimônios históricos brasileiros por excelência.
  Todos sabemos que muitos responsáveis pelas perseguições e torturas naquela época ainda estão no cenário político e social nacional, livres, muitos fizeram isso para ganhar prestígio ou simplesmente por motivos pessoais e políticos, sem se importar com o sofrimento de milhões de brasileiros . Por isso a importância de abrir os arquivos daquela época, para sabermos quem apoiou e realizou esses atos tão covardes, e torcer que haja prisão dessas pessoas. 
 Aqui foi um pequeno resumo básico sobre o Regime Militar no Brasil, é um tema extenso e amplo, necessita de muitas postagens, tem muitas temáticas, mas em outras oportunidades estarei falando de cada temática específica de forma completa.

Um grande abraço, até a próxima.

quarta-feira, 6 de junho de 2012

FILME: A LISTA DE SCHINDLER



FICHA TÉCNICA

Título Original: Schindler's List
Duração: 193 min.
Ano: 1993
Diretor: Steven Spielberg
País: Estados Unidos
Idiomas disponíveis e legendas: Inglês e Português
Gênero: Drama Biográfico/ Épico/ Guerra
Temática: Holocausto/ Segunda Guerra Mundial

SINOPSE (Fonte: e-Pipoca)

 História real e emocionante do empresário alemão Oskar Shindler, que num gesto humanitário de extrema ousadia salvou a vida de milhares de judeus, ao mesmo tempo em que contava com o apoio dos nazistas. Aparentando desinteresse pela política, e fingindo explorar o baixo custo da mão-de-obra judia, o que Schindler fazia era empregar inocentes que de outra forma morreriam nos campos do Holocausto.

COMENTÁRIO

  Até o começo dos anos 90, o diretor Steven Spielberg era considerado um cineasta que sabia fazer excelentes filmes de aventura e ficção científica recheado de efeitos especiais, os quais causavam lágrimas e risos nos espectadores, muitos acreditavam que jamais conseguiria fazer um filme realmente sério e impactante, até que lançou A Lista de Schindler e surpreendeu a todos.
  Baseado no livro de Thomas Keneally, o filme conta a complicada trajetória de Oskar Schindler (interpretado de forma soberba por Liam Neeson), é um empresário alemão bem sucedido e espertalhão que tinha apoio dos nazistas, preocupado com festas, mulheres e dinheiro, sem dar muita atenção a política, as perseguições ou a destruição guerra.    
   Após conhecer de perto os horrores do nazismo, Schindler tem uma mudança de comportamento, passa a lutar pela vida dos funcionários de sua fábrica, no ínicio visando apenas o lucro pessoal, mas com a intensificação da perseguição, organiza uma lista de pessoas inocentes e usa de artimanhas corruptas, para não levantar suspeita dos nazistas. Como resultado desse seu ato corajoso, ele salvou milhares de pessoas dos campos de concentração e se transformando num herói, ajudado pelo incansável Stern (interpretado por Ben Kingsley), seu ajudante, que representa todo povo judeu.
  Contrapondo o carisma e a bondade de Schindler, o vilão da trama, o oficial da SS Amon Goth (interpretado por Ralph Fiennes) é a personificação pura da maldade, sente prazer imenso de matar, faz piadas preconceituosas, sendo uma pessoa totalmente ensandecida pelos ideais de Adolf Hitler, capaz de fazer qualquer coisa em nome de seus ideais. A única coisa que o iguala de Schindler é de ser um bon vivant, ou seja adora curtir a vida sem preocupações, sempre  regada a festas e ter companhia de belas mulheres.
   Sendo um filme filmado todo em preto e branco, A Lista de Schindler inovou no uso de câmeras manuais, com bastante movimentação, dando um ar documental e realista a obra, sendo o filme não colorido mais caro produzido na História do cinema. Mesmo assim, há uma cena aonde aparece uma menina vestida de vermelho, que sai caminhando tranquilamente no meio da rua durante um massacre realizado pelos nazistas, mesmo com tiros e gente caindo morta, ela procura um abrigo para se esconder da perseguição, que representa de forma poética a esperança de um mundo melhor mesmo nos dias mais sombrios da História. Outra coisa que engrandece o filme é a trilha sonora, feita por John Williams, uma das mais belas e emotivas já feita pelo compositor, com músicas cantadas em hebraico e solos de violino e piano, dando o clima triste do filme.

    O filme mostra o Holocausto de forma nua e crua, sem delongas, as cenas de massacre são realmente muito chocantes, especialmente as que retratam o famoso campo de concentração de Auschwitz na Polônia, é díficil não causar indignação e lágrimas no espectador. Assim como em seus filmes anteriores, Spielberg usou todas recursos e documentos possíveis para recriar o período da Segunda Guerra da forma mais realista possível, criando um filme poderoso em imagens e uma trama emocionante.
  O gesto humanitário de Oskar Schindler é exemplar para todos, é a grande mensagem do filme, mesmo tendo apoio de um regime político o qual massacrava aqueles que contrariavam suas regras, ele salvou milhares de pessoas da morte, mostrando ser possível sim fazer a diferença, mesmo arriscando sua vida e levando seus negócios a falência total. A frase dita pelo seu fiel ajudante Stern faz muito sentido nos dias de hoje: AQUELE QUE SALVA UMA VIDA, SALVA TODO MUNDO.

Um grande abraço, bom feriado, até a próxima.
     


segunda-feira, 4 de junho de 2012

DIA DA COMUNIDADE, PARQUE ROSITA DIA 03/06/2012


Olá caros leitores, tudo bem com vocês?

 Nesse último domingo (03/06), aconteceu aqui em Santa Rosa do Sul o Dia da Comunidade, evento feito pela paróquia Santa Rosa de Lima, realizado uma semana após a festa de Pentecostes, onde cada uma das 14 comunidades do município organiza uma festa conforme sua realidade, no intuito de reunir todos moradores, numa tarde cheia de diversão, nesse ano foi a quarta edição.
 Tive a feliz oportunidade de participar desse evento na comunidade de Parque Rosita, que optou por fazer uma festa junina, com direito a muita animação, foguetório, cantoria, encenações, brincadeiras, e como não poderia deixar deixar de ser, muita comilança, sendo uma tarde muito especial para essa comunidade. Houve uma linda celebração religiosa na abertura, após iniciando as atividades culturais indo até 17:30 da tarde.
  Uma das grandes atrações da festa foi o Casamento do Jeca, famosa encenação recheada de humor,  muito presente nas festas juninas em todo Brasil, encenado pelos próprios moradores da comunidade, o qual divertiu a todos, mostrando que são ótimos comediantes e sabem fazer as pessoas darem boas risadas. Além disso foi apresentado oficialmente a planta pronta da capela que será construída por lá em breve, um dos grande sonhos dessa comunidade.
  Quero nessa simples postagem fazer uma homenagem a toda comunidade do Parque Rosita, pelo acolhimento, carinho, respeito e amizade que todos tem por mim, fiquei honrado de ter participado desse evento lindo, e dizer a todos, esse blog sempre estará de portas abertas a essa comunidade e a todas as outras comunidades de Santa Rosa do Sul.
  Em breve, um clipe com os melhores momentos do Dia da Comunidade no Parque Rosita estará disponível no Youtube, mais uma produção ANDRIOFILMES, aguardem.

 Um grande abraço, uma boa semana, até a próxima  

sexta-feira, 1 de junho de 2012

II ENCONTRO DE BIBLIOTECAS MUNICIPAIS E ESCOLARES DA REGIÃO DA AMESC


Olá caros leitores, tudo bem com vocês?

 Essa semana tive a oportunidade de participar na cidade de Sombrio do II Encontro de Bibliotecas Públicas e Escolares da Região da Amesc, evento comemorativo ao aniversário de 40 anos da Biblioteca Pública Municipal Cônego João Reitz, feito em parceria com a biblioteca Cruz e Souza do Instituto Federal Catarinense campus Sombrio, Biblioteca Pública e Prefeitura Municipal de Sombrio.
  Durante três dias, ocorreram várias atividades culturais, como palestras com escritores, oficinas e também atividades educativas para crianças, como a Rua da Leitura e a Sessão de Contação de Estórias. Além da Biblioteca Pública Municipal, a escola IEMES (Instituto Educacional Madre Elisa Savoldi) sediaram o evento, com a presença de professores, bibliotecários e auxiliares de bibliotecas de diversas cidades da região e também de outras partes de Santa Catarina.
  Com o auditório do IEMES completamente lotado, a abertura do evento (dia 28/05) começou com a palestra sobre Literatura Infantil com a escritora e professora Elaine Debus, que falou  sobre a importância desse gênero literário na formação das crianças desde os primeiros anos de idade e deu sugestões muito criativas de projetos literários de sucesso.
   O segundo dia (29/05) começou na manhã com uma divertida palestra com o escritor sombriense Xixo Murara  para as crianças no IEMES, falando de sua carreira como escritor e também sobre suas experiências com leitura. Logo após, aconteceu a abertura da Rua da Leitura e também a oficina sobre conversação de acervo bibliográfico com o professor Idemar Ghizzo, o qual mostrou de forma rápida e inteligente dos cuidados que devemos ter com o acervo de nossas bibliotecas e arquivos. Para encerrar o dia, houve a tarde a primeira parte da divertida oficina de Contação de Estórias com os escritores Tito Ferraro e Maria  Costenaro, os quais ensinaram técnicas para contarmos estórias a todos os públicos.
   Já na manhã do dia 30/05, a programação seguiu com a palestra no auditório do IEMES do escritor sombriense Adriano Gonçalves contando sua trajetória como escritor e sobre a importância da leitura, além de mostrar um pouco de sua obra. Depois houve uma oficina sobre capacitação de auxiliares de biblioteca com o bibliotecário da Biblioteca Pública de Santa Catarina, Evandro Jair Duarte, mostrando aquilo que podemos ou não fazermos em nossas bibliotecas, além de contarmos um pouco da História da biblioteca e os tipos de bibliotecas que existem. A tarde houve a segunda parte da oficina de Contação de Estórias, com direito a uma divertida apresentação ao vivo para as crianças, logo após foi feito encaminhamento para o próximo ano e encerramento do evento.
   Aprendi que um evento desse porte é de suma importância para aprendermos a valorizar nossas bibliotecas, a aprender a cuidar bem do nosso acervo bibliográfico e também a divulgar cultura, arte, conhecimento e diversão. Além de tudo isso, conheci pessoas muito bacanas, e espero ansiosamente pela terceira edição desse evento lindo.

Um bom fim de semana, grande abraço, até a próxima.